8ª turma de permacultores é certificada na UFSC

01/12/2015 17:16
A 8ª turma com Geovano, Alex, Lucas, Josie, Marcela, Reginaldo, Elisa, Valéria, Ingrid, Marina, Jordi, Junior, Henrique e Gabriel

A 8ª turma com Geovano, Alex, Lucas, Josiane, Marcela, Reginaldo, Elisa, Valéria, Ingrid, Marina, Jordi, Junior, Henrique e Gabriel

Por meio da disciplina Introdução à Permacultura (GCN7938), o NEPerma acaba de formar mais 15 novxs permacultores. No total, 153 educandos se formaram pelo Núcleo em ações de ensino e extensão. Esta turma seguiu na mesma linha das anteriores, com participação de alunos da UFSC de diferentes cursos de graduação, dentre eles, geografia, geologia, artes cênicas, agronomia e outros. Desta forma, o NEPerma confirma seu compromisso com a transdisciplinaridade na academia.

Monique que fugiu da foto.

Monique que fugiu da foto.

O projeto final de planejamento territorial desenvolvido pelos alunos do semestre 2015/2, envolveu a criação de uma proposta de sede para um sítio unifamiliar em São Pedro de Alcântara na grande Florianópolis. A turma foi divida em três grupos, que apresentaram diferentes ideias em relatórios, mapas e maquetes digitais.

Alguns depoimentos dos estudantes e, agora, permacultorxs que poderão compartilhar seus conhecimentos com a sociedade:

“A Permacultura pra mim é uma filosofia de vida, é uma rebeldia do sistema, é um ponto (ainda) fora da reta. Permacultura é a pílula vermelha do Matrix, é o despertar da consciência, é ter conhecimento de como funciona o mundo, de onde vem as coisas, da produção dos alimentos, das roupas, do modelo social que vivemos.”

Marcela Meyer – Biologia

 

“Permacultura é um estilo de vida, no qual nos conectamos a todas as esferas da vida para viver em harmonia com o meio ambiente e com nós mesmos.”

Reginaldo Lemos – Geologia

“Fazer o PDC foi uma experiência transformadora. A quantidade e a diversidade dos saberes e conhecimentos reunidos no curso fazem com que passemos a olhar TUDO de uma forma diferente, sempre tentando aproveitar movimentos e acontecimentos para chegar aonde queremos ao invés de tirar tudo do caminho e começar sempre do zero.”

Lucas Santo – Design

 

“Ao concluir o PDC, percebi que a Permacultura torna completamente obsoleto o modo vigente de produção, consumo e interação com a natureza. Assim, é uma importante ferramenta de mudança e empoderamento, já que aponta alternativas e soluções.

A Permacultura é um esforço para o estabelecimento de um sistema cíclico, autossuficiente, permanente e libertador. É uma forma de reconexão entre homem e natureza, o qual observa, interage e se adapta a ela e não a molda. É uma resposta ao paradigma mecanicista vigente, baseado em um sistema técnico único de produção, o qual anula as características do local onde é implantado.

Para mim, a Permacultura representa uma possibilidade de libertação da prisão sem grades onde estamos mantidos, e da qual muitos nem sequer sonham com a fuga, já que têm amor à sua escravidão, mantida pelo consumo e divertimento.”

Marina Clasen

“Permacultura é compreender que devemos estar de bem com tudo e todos que temos ao nosso redor, é aproveitar mais a vida em detrimento do capital, que devemos estar em harmonia com o ambiente no qual estamos situados e com as pessoas em sociedade. Precisamos disso para sermos literalmente felizes com o que fazemos e temos, indo além de técnicas e procedimentos. Significa uma mudança de mentalidade, com apoio do aparato científico, e também de contracultura frente a exigência que o capital incita. A Permacultura é inovadora, reflexiva e fundamental à nossa existência, pois nos faz construir o comportamento que devemos ter para com a natureza, assim como os demais seres já o realizam, nos tornando verdadeiramente seres ditos racionais. A natureza tende a autorregulação e a Permacultura é a via como esta autorregulação pode e deve ser concretizada pela sociedade. Pela sua importância, deveria ser mais um dos temas transversais que deveriam integrar o currículo das escolas para a plena formação cidadã das novas gerações.”

Geovano Hoffmann – Geografia

“Bom, antes de frequentar a disciplina de Introdução à Permacultura do departamento de Geociências, me parecia uma proposta para prática de agricultura sustentável que oferecia uma série de técnicas e soluções para quem estivesse interessado em uma outra alternativa. Logo no início da disciplina tive medo que esse conhecimento não estivesse ao alcance de quem não fosse da área e que talvez fosse melhor aceitar isso. Porém, assim como todos que disputaram uma vaga nessa disciplina, eu também estava ali por sentir que as coisas como “são”, não é mais uma alternativa aceitável. Então aula após aula, os princípios do design da permacultura foram fazendo cada vez mais e mais sentido, a leitura da paisagem e os fluxos de energia me mostram um planeta vivo, pulsando a cada instante junto com comigo. E aquela primeira impressão de um série de técnicas se transforma em uma percepção sistêmica do espaço que habito, o planeta.”

Valéria Gontarczyk – História