NEPerma conclui a segunda etapa de lavantamento de informações de campo pelo projeto Terra Permanente

19/12/2014 11:28
Leila e Leticia em entrevista com Natifio Gardelin.

Leila e Leticia em entrevista com Natifio Gardelin.

No mês de dezembro de 2014, o NEPerma esteve em campo para continuar os levantamentos de informações da fase de pesquisa do projeto Terra Permanente, iniciada em março de 2014 e que envolve produtores rurais de quatro municípios da grande Florianópolis. A equipe participativa e divertida rodou muitos quilômetros na “komboza abacate”, adquirida através do edital 81/2013 do MDA/ CNPq, para revelar o quão a permacultura pode melhorar a qualidade de vida dos agricultores.

Levantamento de características dos solos em uma das propriedades rurais avaliadas.

Cristiane e Leila realizando o levantamento de características dos solos em uma das propriedades rurais avaliadas em São Bonifácio.

Após concluir o Curso de Planejamento em Permacultura os agricultores passaram a implementar, com o apoio da equipe do NEPerma, modificações em seus espaços de manejo. Estas mudanças estão sendo realizadas/monitoradas em um regime de pesquisa-ação. Esta etapa de pesquisa prevê a realização de entrevistas com os produtores rurais, para compreensão das mudanças que a permacultura pode promover na sustentabilidade das propriedades rurais. Além desta ação, estão sendo realizadas coletas de amostras de solos para o entendimento de melhoras na saúde destes, uma vez submetidos ao manejo ecológico.

Leão, Andreia, Marcelo, Celso, Aline, Arthur Arno após concluído o enchimento dos sacos de produção de morangos com a solução local.

Leão, Andreia, Marcelo, Celso, Aline, Arthur, Jefferson e Arno após concluído o enchimento dos sacos de produção de morangos com a solução local.

Na propriedade de Andreia e Leão, produtores neorurais de Águas Mornas, o NEPerma avalia o uso de biomassa local para o cultivos vegetais e para a criação de galinhas. Na produção de morangos, estamos testando a substituição de um pacote comercial por uma solução local de substrato em sacos. No espaço de produção da família Souza em Rio Fortuna, a equipe realizou a coleta de amostras de solos para determinação densidades e fertilidade. Além disso, foi realizado um levantamento de plantas espontâneas bioindicadoras de fertilidade dos solos. Nesta parcela da propriedade está em curso o desenvolvimento de um Sistema Agroflorestal (SAF) que contará com a inserção de galinhas.

Arno, Jefferson e Reinaldo de Souza na área de SAF que receberá a introdução de galinhas no manejo.

Arno, Jefferson e Reinaldo de Souza na área de SAF que receberá a introdução de galinhas no manejo.

Na quarta unidade familiar que o Terra Permanente avalia, o foco da pesquisa está voltado para a reorganização do espaço de convivência de um assentamento coletivo. Esta avaliação partiu do mapeamento da biodiversidade existente e como esta se situa enquanto zonas energéticas da permacultura.

Arthur, Vera, Jefferson, Guisela, Aline, Marcelo e Arno na zona 1 de uma das participantes do projeto SPAço em São Pedro de Alcântara.

Arthur, Vera, Jefferson, Guisela, Aline, Marcelo e Arno na zona 1 de uma das participantes do projeto SPAço em São Pedro de Alcântara.

A etapa de pesquisa continuará em 2015 com o acompanhamento das ações das famílias que resolveram incorporar a permacultura em suas rotinas de vida. Serão mais 3 campanhas de campo até setembro, para sabermos em um total de 18 meses, como estas ações estão afetando a qualidade de vida destas famílias.