Permacultura na 13ª SEPEX

06/11/2014 14:41
Estande da Permacultura na SEPEX.

Estande da Permacultura na SEPEX.

Com a proposta de integrar os estandes do NEAMb, Geabio, TSGA e INCT, a equipe do NEPerma preparou para esta SEPEX, materiais de divulgação das atividades realizadas pelo núcleo, sobre o que é a permacultura e como ela pode ser útil a humanidade.

Assim, o estande contou com a participação direta dos parceiros do GEABio para esclarecer e informar o público a respeito dos princípios da permacultura, as zonas energéticas, ecologia cultivada, o perigo dos transgênicos, uso de veículos movidos a tração animal (bicicleta), dentre outros assuntos que perpassam os dois grupos.

Além dos cartazes explicativos e com registro dos projetos do NEPerma e GEABio, o estande ofereceu também, mudas de Açaí Juraçara (para doação), amostras de solo, variedades de leguminosas, espécies cultivadas na horta do Geabio e plantas alimentícias não-convencionais (PANCs) para exposição e degustação. Ainda foi realizada uma oficina de Plantas Alimentícias Não Convencionais e uma roda de conversa sobre Permacultura.

Um descontentamento do de todos os grupos envolvidos foi um não entendimento de montagem dos estandes, por parte da comissão de organização da SEPEX, que infelizmente segregou os espaços entre os grupos com divisórias, dificultando a integração entre esses e prejudicando o compartilhamento dos conhecimentos com o público.

Agradecemos ao público que interagiu com os estantes dos grupos, pelo trabalho em conjunto e esperamos continuar com essa parceria para futuras atividades.

Texto: Letícia dos Santos

Tags: Educação ambiental

NEPerma conclui o terceiro bloco do PDC Terra Permanente

14/08/2014 23:02
A arquiteta Soraya Nór compartilhando conhecimentos sobre a técnica construtiva com barro bambu-a-pique.

Soraya Nór compartilhando conhecimentos sobre a técnica construtiva com barro bambu-a-pique.

Nesta semana o NEPerma concluiu o 3o. bloco do curso de planejamento permacultural (PDC) do projeto Terra Permanente. Foram mais três dias de intensas atividades junto a ACESPA, parceira no desenvolvimento do projeto Terra Permanente.

Neste bloco, os alunos vivenciaram a discussão acerca da sistematização de águas na paisagem e no ambiente planejado, bioconstruções, energia na paisagem e o seu aproveitamento e, estruturas invisíveis.

Arthur Nanni apresentando do Sistema Agroflorestal (SAF) "de carona" implanto na Zona 3 do sítio Igatu em São Pedro de Alcântara.

Arthur Nanni apresentando do Sistema Agroflorestal (SAF) “de carona” implanto na Zona 3 do sítio Igatu em São Pedro de Alcântara.

Os alunos do curso, representados por agricultores e extensionistas rurais de seis municípios de Santa Catarina, prosseguirão até outubro participando de atividades teórico-práticas para melhor compreender as potencialidades de aplicação da permacultura em suas propriedades rurais, desde a concepção de pequenos elementos até o planejamento sistêmico integrado.

Este bloco do curso contou com duas práticas, a bioconstrução de paredes a partir da técnica construtiva bambu-a-pique e também, a visita técnica ao sítio Igatu, para verificação de conhecimentos até aqui compartilhados, como distribuição de zonas, seus elementos constituintes e formas de manejo integradoras entre zonas energéticas da propriedade rural.

“Sinta o fluxo e trabalhe com ele”

Em tudo existe energia, então, se a gente não souber sentir aonde está esta energia no espaço em que a gente tá, a gente não vai conseguir trabalhar com esse fluxo e não vai deixar a natureza fazer o trabalho dela e a gente conseguir trabalhar junto com ela.

Reinaldo de Souza – agricultor de Rio Fortuna – SC

 O curso de planejamento permacultural do projeto Terra Permanente tem o apoio do MDA e CNPq.

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente

Permacultura na Escola Maria Conceição Nunes em Florianópolis/SC

16/06/2013 00:56

Preparação de mudas para a Zona 1.

O Projeto de Permacultura desenvolvido na Escola Maria C. Nunes, situada no bairro Rio Vermelho, conta com a orientação de Arthur Nanni e execução da permacultora Petra Viebrantz, bolsista do projeto e certificada pelo PDC da primeira turma da disciplina de Introdução à Permacultura. A primeira etapa do projeto baseia-se em observações espaciais da área total da escola, levando em consideração aspectos como: posição do sol, incidência de ventos, qualidade do solo e disposição do terreno (inclinação). Estas observações são necessárias para se estabelecer os setores e posteriormente as zonas de planejamento. Foram consideradas também as variações climáticas e espaciais em relação às estações do ano. Posteriormente, buscou-se analisar que tipos de materiais físicos estavam à disposição no local para que pudessem ser aproveitados. A próxima etapa consistiu na criação de um croqui do pátio da escola, com intuito de visualizar e definir as diferentes Zonas e Setores na escola, podendo assim trazer elementos pertinentes a cada zona, tais como o refeitório (Zona 0), que gera resíduos que são aproveitados para formação de canteiros (Zona 1 ao lado ao refeitório), que por sua vez é constituída de uma horta circular com boa diversidade de hortaliças, plantas bioativas, entre outros, além da vermicompostagem. Na Zona 2 estão sendo implantadas árvores frutíferas e canteiros com espécies trepadeiras e flores.

Transplante de mudas.

O andamento do projeto está atualmente na etapa de coleta diária e disposição dos resíduos orgânicos para a compostagem, manutenção do solo das mudas de árvores frutíferas e criação da horta circular (mandala). O desenvolvimento das atividades na Escola é desenvolvido com a participação dos alunos, atualmente turmas de 6º e 7º ano, baseado nos princípios da Permacultura e numa pedagogia de amor e respeito pela natureza e pelo próximo. Além disso, conta com a participação e orientação da Professora Cátia e dos voluntários Marcos e Ícaro (Cepagro). Paralelamente, Douglas Flores, representante da comunidade da Escola, segue cursando a disciplina Introdução à Permacultura na UFSC na busca de manter a continuidade de transmissão dos conhecimentos aos professores.

Texto: Petra Viebrantz

Tags: Permacultura na escola