O controverso terceiro princípio ético da permacultura

15/04/2017 17:49

A permacultura tem três princípios éticos e vários princípios de planejamento, que pelo cocriador da permacultura, David Holmgrenseriam em 12 e que nos ensinam o que deve ser percebido e estimulado ao se planejar um ambiente humano visando sua permanência, durabilidade.

Os princípios éticos da permacultura seriam  1. Cuidar da terra, 2. Cuidar das pessoas, e 3. Compartilhar excedentes (inclusive conhecimentos), sendo esse último também chamado de Partilha justa e/ou Limites ao crescimento e ao consumo ou ainda Cuidar do Futuro [4] OU ???.

Essas 3 éticas em alguns momentos já foram considerados em quantidade de quatro, justamente pelas polêmicas relacionadas ao terceiro princípio ético (quando me foi ensinado como: (3) Compartilhar Excedentes e (4) Limites ao consumo).

Então aqui traduzimos dois artigos que tratam justamente dessa polêmica terceira ética da permacultura e assim criamos uma oportunidade de nos aprofundarmos no conhecimento da ética permacultural: o primeiro escrito por Tobias Long em 2017, e o segundo escrito por Heather Jo Flores em 2018.


Texto 1:

O controverso terceiro princípio ético da permacultura

por Tobias Long, tradução de Marcelo Venturi – Neperma, do artigo original postado em 6 de abril de 2017 pela World Wide Permaculture.

O coração da permacultura é enraizado na adesão na filosofia das suas três éticas. As duas primeiras, Cuidar da Terra e Cuidar das Pessoas, têm sido amplamente aceitas pela comunidade pelo que são – simples e lógicos. A terceira ética, no entanto, tem sido objeto de debates[1] entre os praticantes de permacultura por muitos anos.

De fato, a discussão em curso sobre as várias interpretações desta terceira ética pode oferecer alguma explicação sobre por que a filosofia da permacultura não se tornou um conceito mais popular – apesar de ter sido abraçada por comunidades e profissionais em todo o mundo.

Limites e equidade

Inicialmente, a terceira ética foi introduzida como “Estabelecer Limites à População e ao Consumo“, mas tem sido expressa em uma ampla variedade de maneiras diferentes desde então: “Partilha Justa” (Fair Share), “Limitar o Uso de Recursos e População“, “Compartilhar Excedentes” [inclusive conhecimentos] e “Viver com Limites“. Embora exista, obviamente, uma sobreposição entre essas expressões, a ideia de que a terceira ética é um pouco aberta à interpretação deixa um pouco de interrogação quanto à aplicação desses princípios no design da permacultura.

O significado por trás da terceira ética, de acordo com o Permaculture Designer’s Manual escrito por Bill Mollison, é a teoria de que “ao governar nossas próprias necessidades, podemos definir recursos à parte para focar os princípios anteriores”, referindo-se às duas éticas anteriores da permacultura. No entanto, quando a frase é abreviada apenas para a ideia de “estabelecer limites para a população”, pode levar a mal-entendidos – particularmente por militantes da justiça social, que levantaram preocupações em torno de genocídio e eugenia que poderiam ser falsamente encontrados nessa frase.

Na década de 1980, o pioneiro da permacultura dinamarquesa, Tony Andersen, reformulou a terceira ética como “Partilha Justa” (Fair Share), em um esforço para evitar qualquer discussão sobre esses conhecimentos controversos. Mas enquanto esta frase simples soa agradável quando combinada com as duas outras éticas, deixa para fora uma das ideias principais atrás deste terceiro princípio ético – o conceito de projetar dentro dos limites.

População vs Uso de Recursos

Os ecologistas definem a “capacidade de carga” como o tamanho da população que um ambiente pode sustentar durante um período de tempo, levando em consideração os vários recursos disponíveis nesse ambiente. Quando a quantidade de recursos requerida por uma espécie for igual à quantidade de recursos disponíveis, a capacidade de de carga é atingida. Se a população continuar a aumentar e a quantidade de recursos não, a natureza corrige o desequilíbrio, garantindo que as taxas de mortalidade subam acima das taxas de natalidade – deixando a população de volta abaixo da capacidade de carga.

Este é o desafio apresentado pela terceira ética da permacultura – viver dentro dos limites, para manter nossa população global e o uso de recursos sob a capacidade de carga. À medida que a nossa população aumenta, haverá obviamente menos recursos disponíveis para cada indivíduo. A permacultura tenta usar o planejamento sustentável para determinar um uso médio dos recursos que pode ser mantido por um longo período de tempo, o que é parte da teoria por trás dessa terceira ética controversa.

À medida que uma escassez global de alimentos surge como resultado do impacto negativo da mudança climática sobre as safras, a ideia de capacidade de carga e de viver dentro dos limites torna-se ainda mais necessária. No entanto, o maior problema que enfrenta o nosso planeta não é necessariamente uma crescente população nos países menos desenvolvidos, mas sim o excesso de consumo das populações ocidentais o que mais contribui para o nosso desequilíbrio no uso dos recursos.

Esta terceira ética tenta abordar esta questão, confrontando uma das partes mais feias da natureza humana: a ganância. É esta ganância que nos leva a acumular recursos muito além do que poderíamos usar – mesmo enquanto os outros lutam para prover o suficiente para si ou para suas famílias. Isso não só é errado, como é insustentável no longo prazo.

Permacultura e Socialismo

Parte dessa terceira ética significa entender que a permacultura inclui a ideia de que as necessidades básicas de todos devem ser atendidas – incentivando a justiça não apenas entre os humanos, mas também entre a humanidade e outras espécies. Mas mesmo essa interpretação está sujeita à visão de mundo de um indivíduo. Pessoas com tendências mais socialistas ou comunistas poderiam levar esta ideia a dizer que “se você fizer mais do que você precisa, você deve dar a outros – incluindo aqueles que não fizeram nada para ganhá-lo“.

Embora o altruísmo seja certamente encorajado, a história mostrou que os conceitos governantes do socialismo e do comunismo foram insustentáveis. A interação desta ética como um dos princípios motrizes da permacultura pode explicar em parte por que a filosofia não tem sido mais amplamente abraçada – ela promove o pensamento de que, para praticar a permacultura da maneira como Mollison e o cofundador David Holmgren pretendiam, eles deveriam dar todos os seus pertences e viver em uma comuna com outros permacultores.

Esta ideia foi mesmo levada um passo adiante, teorizando que qualquer um dos excedentes produzidos através do planejamento em permacultura deve ser compartilhado – incluindo o conhecimento. Em vez de aceitar pagamentos por ensinar, consultar ou escrever, essas informações devem ser distribuídas gratuitamente. É uma boa ideia, mas é difícil convencer as pessoas a colocar sua energia e recursos em um projeto onde as recompensas serão compartilhadas com pessoas que não fizeram nada para ganhá-los.

Permacultura não é socialismo[2]. Os praticantes não são obrigados a viver em uma comuna, trabalhando de graça e dando o seu excedente. Permacultura não impede você de ganhar uma vida decente – na verdade, permacultura pode trazer aos praticantes todos os tipos de benefícios, incluindo financeiros. Mas enquanto esta crença [na necessidade dependente do dinheiro] continuar a permear a sociedade dominante, será difícil para os permacultores trazerem esta ciência para as massas.

Andando em frente

Em vez disso, esta terceira ética controversa deve agir como uma luz orientadora para ajudar os indivíduos a examinarem seu uso de recursos com mais cuidado – atentos para reduzir seu consumo e enfrentar o desafio social de compartilhar não só o excedente, mas também o trabalho e a produção. Permacultura é sobre comunidade, sobre resiliência e sobre sustentabilidade.

Mais pessoas estão começando a adotar o conceito “Retorno do Excedente” como a expressão da terceira ética[3], o que pode estar mais de acordo com o significado original desse princípio. Em vez de criar desperdício, permacultores são incentivados a devolver o excesso de volta para onde ele veio. Isso pode se aplicar em um sentido ambiental através de práticas como cortar e soltar ou permitir que o produto amadurecido para decompor e fertilizar o solo.

Mas o conceito também se aplica a outros aspectos da permacultura, incluindo seu investimento de tempo, trabalho e recursos. Retornos sobre esses investimentos, financeiros ou de outro tipo, podem ser direcionados e colocados de volta em sua prática de permacultura – garantindo sustentabilidade e resiliência.

Quando aplicadas à prática da permacultura, essas éticas devem ser usadas para orientar o tipo de planejamento estratégico que nos ajudará a trabalhar em direção a um futuro onde não nos preocupamos apenas com nós mesmos, mas também com outras populações humanas e não humanas e até com a própria Terra.

Para Saber Mais Sobre

World Wide Permaculture e Permacultura UFSC

Facebook: https://www.facebook.com/worldwidepermaculture/ e
https://www.facebook.com/groups/Permacultura.UFSC/

Publicação original: http://worldwidepermaculture.com/controversial-third-ethic-permaculture/

Republicada também em: http://permaculturenews.org/2017/04/13/controversial-third-ethic-permaculture/


Notas do tradutor

texto 1 – [também entre colchetes ao longo do texto]:

[1] Assim como é comum ocorrer com todas as polêmicas que envolvem a simplificação das definições das ciências humanas. Os dois primeiros princípios éticos remetem, indiretamente, às questões ambientais e sociais, e este terceiro remeteria à sustentabilidade “econômica” real, e não àquela defendida pelo mercado através do falacioso tripé da sustentabilidade (social, ambiental e econômica), como é bem questionado por Ignacy Sachs, Carlos Walter Porto-Gonçalves e outros autores.

[2] Permacultura sem dúvida não é socialismo nem comunismo, muito menos capitalismo – já que esse se baseia na competição e num crescimento infinito. Eu acredito que como uma lógica ambiental e social assim proposta, ela seja muito mais próxima de um cooperativismo, ou um terceiro caminho ainda mais equilibrado e que remete ao anarquismo, sempre consciente, talvez com uma certa influência de Kropotkin, com sua “Ajuda mútua”, e outros autores e que seria uma ecologia social aplicada de forma consciente a direcionar a sociedade às relações ecológicas positivas, como é no mutualismo.

[3] Eu particularmente, quando ministro as aulas referentes aos princípios apresento o primeiro princípio – Cuidar da Terra, como o principal e que poderia se bastar por si. Historicamente o Bill também fala isso: que bastaria a permacultura ter uma única ética – Cuidar da Terra. Mas como o ser humano é egoísta e deturparia isso achando que precisamos cuidar das plantas e animais, da natureza e por isso excluir e explorar as pessoas, é preciso salientar que dentro desta primeira ética existe uma segunda: Cuidar das Pessoas. Ainda sob esta lógica pode-se dizer que, por exemplo: dar emprego para as pessoas é cuidar delas, que dar oportunidade de trabalharem em suas terras também se está cuidando, ou que aumentarmos a população e consequentemente o consumo é uma forma de cuidar delas, mas como isso vai de encontro ao limite de crescimento do planeta, apresentado pelo Clube de Roma e em outros autores, devemos deixar muito claro no terceiro princípio como fazer para Cuidar da Terra e das Pessoas, através desses limites de crescimento e de consumo e da partilha do excedentes, inclusive conhecimentos.
Então em relação ao terceiro sempre apresento pelo menos duas formas: Partilha Justa – que é o que está descrito nas figuras de David Holmgren e por isso utilizo desta forma – e Compartilhar excedentes, inclusive conhecimentos que é uma forma que simpatizo por considerar a expressão mais compreensível. A expressão em inglês Fair share, apesar de literalmente significar partilha justa, as vezes me remete a outro uso não tão libertário mas mais capitalista que é o comércio justo ou mercado justo. Mas isso é apenas uma questão de interpretação minha e não seu significado real. E a expressão Retorno do excedente não sei se em português repassa tão bem o que quer dizer este princípio e que não seja dito pelo Compartilhar excedentes, mas por outro lado apresenta uma questão bem mais ambiental que é a questão do deixar o que é da natureza lá, caso não seja usado e assim abre realmente uma nova interpretação e ação pra maioria dos permacultores, numa visão bem mais preservacionista que conservacionista. Este seria nosso papel? Será que precisamos tanto assim? Vale a reflexão. Isto é, mesmo com este texto explicando bem as questões ao redor deste terceiro princípio ético creio que ainda não chegaremos a um consenso.

[4] Cuidar do Futuro (fontes: Delvin Solkinson. Gaiacraft Permaculture Design Core Curriculum Notes, 2017 ,  Dixon, Milton. Future Care. 2014.,  Harland, Maddy. Redefining the Third Permaculture Ethic: Future Care. 2017., e Withoneplanet. Permaculture Ethics and Principles, 2017.):
Originalmente, Bill Mollison caracterizou o terceiro princípio como uma ética diferente, mas relacionada à atual: “Estabelecer Limites para População e Consumo” e “Gerar Excedentes e Reinvestir no Cuidado de Pessoas e Cuidados com a Terra”. Na virada do milênio, foi descrito como “Fair Share” (Partilha justa), resumindo a essência das articulações anteriores. A Escola Africana de Permacultura descreve isso como “Cuidados futuros”. Todos os seres vivos têm o mesmo valor inerente e o direito de viver uma vida saudável, incluindo as gerações vindouras. Gere uma abundância e compartilhe os recursos da Terra de forma generosa e equitativa com todas as coisas. Nossa missão é investir toda a inteligência de capital e boa vontade e trabalho para o Cuidado da Terra e o Cuidado de Pessoas. O questionamento sobre esta proposta se dá na medida que sob o ponto de vista capitalista empresas e o mercado sempre tem pregado que “cuidam do seu futuro”, como a revolução verde prometia acabar com a fome do mundo nos anos 1960 e 70 do século passado. Um viés mais nobre talvez seja manter fielmente as palavras dos criadores (apenas traduzidas) e utilizarmos os argumentos que considerarmos mais didáticos em nossas explicações durante os PDCs.


Texto 2:

Sobre permacultura, direitos e essa irritante terceira ética: todos a bordo do elefante na sala

por Heather Jo Flores, tradução informal de Marcelo Venturi – Neperma, do artigo original postado em 18 de março de 2018 (14 min de leitura), no medium.com 

Terceira Ética da Permacultura:
Abraçando a igualdade, o equilíbrio e a justiça!

“O contato com o solo nos lembra que somos parte integrante da natureza, em vez de nos sentirmos excluídos e excluídos. Os simples atos de cultivar e comer nossa própria comida, recriar habitats nos quais a diversidade da natureza floresce e tomar medidas para viver de maneira mais simples são maneiras práticas de viver que nos conectam a uma consciência do todo sem costura da natureza. A permacultura é uma reconexão espiritual e também uma estratégia ecológica. ”
Maddy Harland.

O que é permacultura?

Estritamente falando, “Permacultura” é uma palavra criada por Bill Mollison e David Holmgren na década de 1970 [5]. Eles pegaram as palavras “permanente” e “agricultura”, juntando-as e usaram-nas para descrever uma metodologia para “o planejamento e a manutenção consciente de ecossistemas agropecuários produtivos que têm a diversidade, a estabilidade e a resiliência dos ecossistemas naturais”.

Os designers de permacultura trabalham para estabelecer propriedades e comunidades que atendem às suas próprias necessidades, que requeiram cuidados mínimos, produzam e distribuam alimentos e mercadorias excedentes. A permacultura enfatiza a observação, o planejamento cuidadoso, o compartilhamento de recursos e o trabalho com a natureza e não contra ela. Atender às nossas próprias necessidades sem explorar os outros é o objetivo seguinte; pois regenerar a Terra para que ela possa continuar sustentando a vida é o primeiro.

O sistema de design da permacultura, que contém um conjunto específico de ética, princípios, ferramentas e técnicas, oferece uma oportunidade para indivíduos, famílias e comunidades criarem uma cultura humana viva que nutre, e não aniquila, a Terra.

Além disso, os mesmos princípios que tornam a permacultura tão bem sucedida na paisagem também funcionam para projetar “estruturas invisíveis”, como sistemas sociais, emocionais, econômicos e políticos que podem apoiar seu trabalho no lugar. Isso porque a permacultura não se resume apenas aos elementos de um sistema; é também sobre os fluxos e conexões entre esses elementos. Você pode ter energia solar, uma horta orgânica, um carro elétrico e uma casa de palha e ainda não viver uma permacultura. Um projeto se torna uma permacultura somente quando é dada atenção especial às relações entre cada elemento, entre as funções desses elementos e entre as pessoas que trabalham no sistema.

Através de um processo de design de permacultura, podemos organizar esses relacionamentos para obter o melhor sucesso. Nossa criatividade é a ferramenta mais poderosa para superar os males de nossa cultura, e o planejamento permacultural nos ajuda a aproveitar essa criatividade e colocá-la em prática.

No entanto, embora a palavra permacultura se refira a um conjunto de ferramentas e filosofia específicos, a maior parte do que a permacultura ensina não é uma informação nova. Muitas dessas técnicas vêm de práticas indígenas em todo o mundo, e algumas delas parecem tão naturais que você pode facilmente intuí-las, assim que começar.

Então por onde você começa?

Na permacultura, começa com o que Mollison chamou de diretiva principal: assumir a responsabilidade pelas necessidades de nós mesmos e de nossos filhos. E, em busca dessa diretiva … começamos com a ética.

A permacultura decorre de uma tríade de ética ecológica: primeiro, cuide da terra, porque a terra sustenta nossas vidas. Segundo, cuide das pessoas, porque precisamos cuidar de nós mesmos e das outras, e porque as pessoas são a principal causa de dano à terra.

E isso nos leva à terceira ética.

Essa irritante terceira ética!

Em seu monumental Permaculture: A Designer’s manual (1988), Bill Mollison ensinou a terceira ética como “limites à população e ao consumo”. Rosemary Morrow usou “redistribuir o excedente de acordo com as necessidades” no Earth Users Guide to Permaculture. No Gaia’s Garden (2001), Toby Hemenway usou “compartilhar o excedente”. Eu usei “reciclar todos os recursos para as duas primeiras éticas” em meu livro, Food Not Lawns, How to Turn Your Yard into a Garden and Your Neighborhood into a Community (Como transformar seu quintal em um jardim e seu bairro em uma comunidade) (2006). Jessi Bloom usou “processo cuidadoso” em seu livro Practical Permaculture (2016). Atualmente, no trabalho de David Holmgren, a terceira ética geralmente é destilada em apenas “partilhas justas”. E assim por diante.

Ninguém parece chegar num acordo, e você encontrará essas variações éticas repetidamente em sua jornada na permacultura. Mas o ponto que muitas vezes não é trabalhado é a compreensão completa e em vários níveis do que é e o que faz a permacultura que pode ser encontrada dentro dessa rica discussão, às vezes controversa, sobre a terceira ética.

O problema é a solução, por assim dizer.

Portanto, no interesse de aprofundar nossa compreensão, vamos desembrulhar algumas dessas diferentes versões:

Limites para população e consumo.

Clara, específica e controversa, esta versão original da terceira ética é um plano de ação que pode desencadear muitas respostas negativas. Sem se desviar para um tratado sobre a aversão da comunidade de permacultura a discutir superpopulação, digamos que esta versão é provavelmente a menos popular em muitos círculos de permacultura hoje.

Compartilhar o excedente.

Esta versão da terceira ética nos lembra que recursos não utilizados são iguais a desperdício e, portanto, poluição, e podemos aumentar as oportunidades cíclicas enviando tudo de volta. Isso faz muito sentido, de certa forma, mas pode ser problemático porque é muito fácil supor que algo é um “excedente” quando na verdade alguém já pode estar usando, ou precisando desesperadamente. Se nos afastamos do centro do planejamento e consideramos as necessidades de outras espécies, a noção de “excedente” se torna confusa.

Partilha justa.

Certo. Está bem. Mas quem decide o que é justo? Muito espaço para erros de interpretação aqui. Muitos cantos para cortar. Mas esta versão é, para mim, muito diluída, fácil de ignorar, e eu já vi muitos proprietários privilegiados de permacultura discutindo sobre “partilhas justas” enquanto exploravam trabalhadores voluntários e desfrutavam dos luxos de 1% do primeiro mundo.

Recicle todos os recursos para as duas primeiras éticas.

Eu sempre fui pragmática e, em Food Not Lawns, escrevi: “Recicle todos os recursos para as duas primeiras éticas, porque excedente significa poluição e renovação significa sobrevivência”. Ainda aprecio e concordo muito com essa perspectiva, porque parece tangível, mensurável. Mas também sinto que esta versão carece de precisão. Falta especificidade. Reciclar quais recursos? E como exatamente? As duas primeiras éticas? Então, reciclamos tudo para cuidar da Terra e cuidar das pessoas? Claro, ok. Mas, novamente, parece meio diluído. Esta versão não faz o suficiente para dizer: “Ei! Um passo adiante! Isso é com você!

Processo cuidadoso.

Esta versão pede que consideremos os impactos de nossas ações e tomemos consciência de como nossa busca pela felicidade e “sustentabilidade” pode ter efeitos negativos sobre os outros. Se observarmos como os seres humanos se sustentaram ao longo da história, vemos uma trilha de lágrimas, carnificina e negação, que poderiam ter sido evitadas se abordadas com um processo mais cuidadoso. Acho esta versão provocativa e empoderadora, mas também carente de responsabilidade. Para mim, parece muito fácil dizer: “Tomei cuidado, por isso não é minha culpa”. Porque tomar cuidado não é suficiente. Temos que estar vigilantes e pró-ativos, agressivos em nossa busca de equilíbrio.

Cuidar do futuro.

Originária da escola africana de permacultura e usada por Starhawk, Maddy Harland e outras professoras feministas conhecidas, esta versão faz eco da consideração das “sete gerações” de muitas tradições indígenas e antigas e nos pede que trabalhemos para aqueles que viverão depois de nós, quando não estivermos mais aqui. Ele nos pede para abraçar nosso papel como “determinantes” do futuro e assumir a responsabilidade pelo futuro que estamos criando com todas as ações que tomamos hoje. Sim, claro, e sempre. Mas essa versão nos tira do presente e, para mim, parece hiperespiritual [6], quase evangélica. Não sei você, mas tenho dificuldade em me concentrar em algo que acontecerá quando eu morrer.

Então, onde está o terreno comum em tudo isso?

Por um lado, podemos dizer “vamos usar todos os itens acima”, porque cada uma dessas versões tem mérito e todas as versões têm falhas. Mas vamos procurar um terreno comum. A terceira ética, por qualquer nome, sempre tem dois lados:

O primeiro é sobre bordas, fronteiras, limites e auto-regulação.

O segundo lado é o compartilhamento ou distribuição de recursos.

Mas por que a combinação dessas duas ações é tão crucial para a permacultura que ela compartilha o trono ético ao lado de Cuidar da Terra e Cuidar das Pessoas?

Ultimamente, tenho trabalhado com uma tríade ética que se parece com isso: (Ética permacultural: pessoas, planeta e paridade)

Paridade

Paridade é uma palavra antiga com muitos significados. Vem do latim parere, que significa “trazer pra frente”. Nos anos 1700, significava “igualdade de posição ou status”, aplicada à sociedade que se desenrolava durante “o iluminismo”. Na década de 1950, foi usada para descrever uma “condição em que os adversários têm recursos iguais” e, na década de 1970, era frequentemente usada para descrever o que as mulheres que lutavam por salários iguais estavam tentando obter.

Atualmente, paridade é geralmente definida como significando igualdade, equilíbrio e justiça.

À primeira vista, minha tríade ética de Pessoas-Planeta-Paridade parece uma brincadeira com a “tripla linha básica” do movimento oximorônico do “desenvolvimento sustentável”: “Pessoas-Planeta-Provenção (Lucro)” [7], ou melhor: tripé básico do desenvolvimento sustentável – “Social-Ambiental-Econômico” que é, presumo, o que se entoa para sentir-se melhor com a exploração capitalista.

E, embora eu não estivesse pensando nos chamados capitalistas verdes quando fiz minha tríade, aprecio a conexão, porque, embora eu veja o valor em se obter uma produção, a terceira ética diz respeito a nos perguntar quem somos nós obtendo esse rendimento de onde.

Pense nisso por um minuto. Pense nisso por uma hora.

Não mesmo. Dê um passeio e pense sobre o quanto cuidado, igualdade e justiça realmente importam para você. Sua vida é mais importante que a de uma pulga? Por quê? Mais importante que de um urso? E quanto a vida do seu vizinho? A sua é mais importante que a deles? Por quê? Ou porque não?

Vamos falar sobre equidade também. Não é o mesmo que igualdade.

Então, a pessoa baixinha pega a cadeira mais alta para poder ver o show, assim como a pessoa alta? Por quê? Ou a pessoa baixa deve trazer sua própria cadeira, e a pessoa alta deve ficar de pé atrás? Por quê?

Até onde vai tudo isso e quem decide? E quem tem autoridade para fazer cumprir esses princípios éticos?

Em nossa busca por equilíbrio, totalidade e sustentabilidade, precisamos ter cuidado ao tentar fazer com que todos respeitem esses acordos e se conformem. Mas não funciona assim. É complicado e não existe um caminho verdadeiro. Mas isso não nos dá uma desculpa para parar de tentar.

Igualdade, equidade e o elefante na sala.

De fato, é precisamente nosso fracasso ter de admitir que a terceira ética tantas vezes divide a comunidade da permacultura. E a recusa desafiadora de abordar a justiça social, a saúde mental e a descolonização, como parte de toda uma plataforma de planejamento de sistema, que caracteriza uma facção grande e dominadora do movimento permacultural.

Acrescente a isso o triste, mas real, fato de que um pequeno número de professores de permacultura conhecidos enfrenta várias acusações de abuso, fraude, exploração e assédio sexual, e o que resta é uma comunidade global de designers altamente qualificados fazendo um bom trabalho, mas ofuscados por uma enorme quantidade de diferenças éticas aparentemente não resolvidas que podem ameaçar desacreditar nosso movimento como um todo.

#PermaculturaPorMimTambém?

Sim, é uma coisa. E dificilmente sou a denunciante disso. Todos nós estamos montando o elefante na sala há décadas.

Fato: um projeto ecológico não pode ser implementado, a menos que seus habitantes estejam dispostos a se engajar, colaborar, comprometer e participar ativamente da evolução contínua dele.

Comecei a Guilda das Mulheres em Permacultura (PWG – Permaculture Women’s Guild), desafiando diretamente a estrutura de poder patriarcal amplamente discutida, que é amplamente ativada e que continua a existir na comunidade global de permacultura. E meu objetivo com o PWG é alcançar, bem, paridade.

Paridade é cuidado, em ação.

Paridade é um esforço aberto para encontrar um equilíbrio, seja pagamento igual, recursos compartilhados, dando crédito onde é devido ou iniciando um retorno do que foi levado.

A paridade está nos livros, clara, definida, mensurável. É concreta. Você pode vê-la, documentar seus efeitos e replicar o processo conforme necessário.

Vamos adicionar mais uma definição de paridade – uma que inspira uma metáfora que pode ser realmente útil ao nosso movimento nesta fase: na biologia e na medicina humana, paridade é quando um feto atinge uma idade gestacional viável.

Quantos projetos de permacultura falham quando estão no primeiro ou no segundo trimestre? E por que? O que aconteceria se mais desses projetos pudessem alcançar um nível de desenvolvimento e autoconsciência de que estão prontos para nascer como sua própria entidade no mundo, para aprender a andar e falar por si mesmos?

Até o momento da redação deste artigo, os modelos de trabalho de longo prazo de permacultura sustentável e próspera são poucos e distantes, com muitos exemplos muito próximos escondendo essas permacultura sujas, segredos demais para mim sob as lonas azuis esfarrapadas e as pilhas de recursos (leia-se excedente / desperdício / desequilíbrio / desconsideração da terceira ética).

Como você define a terceira ética da permacultura?

Você simplesmente repete o que lhe foi ensinado ou se envolve em uma prática diária com uma base ética que investigou rigorosamente e apaixonadamente?

Porque, se conseguirmos dominar a terceira ética, ela poderá destrancar as portas das duas primeiras.

Se pudermos reforçar nosso design, conseguir um melhor equilíbrio em nossas paisagens emocionais e sociais e voltar para estender esse equilíbrio, essa consciência, essa paridade com os outros seres humanos e recursos com os quais estamos trabalhando, então talvez possamos, como um movimento, fazer nascer uma chance de sobrevivência como espécie.

Exceto… que haja outro elefante na sala.

Lembra quando eu disse que paridade às vezes é definida como “igualdade de posição ou status”?

Portanto, usar a paridade em um contexto de permacultura implicaria que nenhuma espécie é mais importante que as demais.

Ponto final.

E se fizéssemos a mudança radical, em nossa consciência como indivíduos, como movimento e como espécie, para equilibrar a hierarquia de espécies no planeta, e nos puxarmos intencionalmente do topo? Como isso mudaria o futuro?

É possível que deixar de lado nosso apego à permanência e aceitar nossa inevitável extinção como espécie seja realmente a coisa mais ecológica que podemos fazer?

Uma “permacultura para todas as espécies”, no interesse de trabalhar com a natureza, e não contra ela, nutriria a noção de que a extinção humana poderia realmente fazer parte de um projeto sustentável de todo o sistema?

Porque, vamos ser sinceros:

Permanência vai contra a natureza.

Se vamos realmente abraçar essa terceira irritante ética, isso significa que precisamos questionar a palavra “permacultura” e questionar a suposição de que nós, como espécie, temos direito à permanência nesta terra. Meu objetivo aqui não é alienar ninguém, mas integrar uma perspectiva mais ampla e talvez mais inclusiva ao pensamento que estamos construindo e à comunidade global que ele serve.

Extinção é natural. Sim, acelerou, pelo menos durante a linha do tempo que nossos cérebros humanos insignificantes podem compreender. E a lei universal nos mostra que, uma vez que o ciclo entre ordem e caos se inclina demais em uma direção, ele não pode ser interrompido até que volte novamente. Se uma pedra já estiver rolando ladeira abaixo e for mais pesada que você, você não poderá pará-la.

A permacultura pode tentar parar a pedra? A permacultura deve tentar pará-la? Ou isso vai contra a natureza?

O escopo e a qualidade de nossa sobrevivência dependem em grande parte de como lidamos com as facetas inevitáveis ​​e às vezes horríveis da humanidade.

Então, qual é a nossa estratégia de planejamento?
(Alerta de spoiler: não sei as respostas.)

Esteja aqui agora

Todas as inevitabilidades cataclísmicas à parte, a permacultura, na prática, seja agrícola, estrutural, social, emocional ou qualquer combinação dos itens acima, é simplesmente muito divertida. Uma vida de permacultura, em qualquer escala, é cheia de admiração e abundância!

Não há realmente nenhum lugar em que eu preferiria estar no quintal, movimentando coisas e tentando descobrir como conectar elementos para tornar minha casa e jardim mais bonitos, produtivos, menos consumistas e menos desperdiçadores. Quando tomo providências para cuidar da terra e planejar minha vida em conjunto com minha comunidade ecológica, é muito bom.

Quando você treina sua mente para se lembrar das teorias da permacultura, retirá-las como um mestre artesão retiraria seu cinzel favorito, então você começa a ver tudo ao seu redor de uma maneira diferente. Colocando as mãos no solo, obtemos acesso à sabedoria da terra e, juntando nossas cabeças, aprendemos a usar esse conhecimento para o benefício de todos.

Essas mudanças lentas e constantes na maneira como você experimenta o mundo não devem ser tomadas de ânimo leve, nem devem ser apressadas. E apenas ler este artigo não o levará muito mais longe do que a poltrona – você precisa chegar lá e experimentar essas coisas em seu próprio quintal, em sua própria comunidade.

Você tem que fazer a coisa. Diariamente.

No entanto, para encerrar, sinto a necessidade de advertir contra permitir que a “permacultura” ou qualquer outro slogan substitua o pensamento crítico, o bom senso e um firme compromisso de estar presente, disponível, vulnerável e disposto a fazer o trabalho no local , no dia a dia. E não apenas o trabalho na terra. O trabalho do coração é tão importante. É disso que trata a terceira ética. É isso que é permacultura. E é por isso que estamos todos aqui juntos hoje.

Meu próprio trabalho decorre de uma abordagem autônoma e igualitária que inclui a permacultura, mas também inclui uma ampla gama de outras crenças, filosofias, ferramentas e técnicas, acredito que nesse tipo de abordagem flexível e individualizada reside nosso verdadeiro poder como movimento global.

Cada um de nós só tem que ser, culpar e confiar, e nosso próprio comportamento está na raiz de qualquer mudança social ou ambiental. Se queremos paz, temos que ser pacíficos. Se queremos viver no paraíso, temos que cultivá-lo.

Porque as flores não são as únicas coisas que florescem no jardim – as pessoas também!

E, quando as pessoas participam de um projeto ecológico, quando trabalhamos duro para melhorar o solo, purificar a água, plantar árvores, incentivar a vida selvagem, reduzir a poluição e o desperdício… algo dentro de nós muda. Nós sintonizamos as vozes sutis da natureza. Tornamo-nos mais conscientes de nossos corpos, mais conscientes de nosso impacto no meio ambiente, melhores em ouvir e nos comunicar e mais capazes de superar medos e obstáculos.

Então, vamos nos envolver como uma comunidade de indivíduos que pensam nossos próprios pensamentos, realizam nosso próprio trabalho, e ainda assim confiam e confiam um no outro à medida que avançamos em direção a um futuro comum e frutífero. Um passo de cada vez, podemos nos tornar especialistas em cuidar da Terra, cuidar das pessoas e encontrar inúmeras maneiras de comunicar e demonstrar igualdade, compartilhamento e abundância.

Como yoga, como escrever, como arte, a permacultura é um caminho de vida, uma prática diária. E, a princípio, você pode não se sentir muito flexível. Não se preocupe com isso. Apenas continue tentando. Inspire, expire, pique madeira, leve água.

ESCRITO POR:
Heather Jo Flores
Agricultora de dia, escritora de noite. #foodnotlawns #permaculturewomen #freepermaculture. www.heatherjoflores.com

Tradução livre de Marcelo Venturi – Neperma/UFSC

Para Saber Mais Sobre

Publicação original: On permaculture, entitlement, and that pesky third ethic: all aboard the elephant in the room. https://medium.com/permaculturewomen/on-permaculture-entitlement-and-that-pesky-third-ethic-lets-take-a-ride-on-the-elephant-in-the-448cc654744e.


Notas do tradutor

texto 2 – [também entre colchetes ao longo do texto]:


Outras referências e opiniões sobre o assunto:

Estas opiniões podem refletir ou não a opinião do autor. Estão aqui publicadas a fim de que o leitor desenvolva sua própria opinião a respeito.

1. O grande medo ao terceiro princípio da permacultura. Yvyporã. https://yvypora.wordpress.com/2018/05/20/o-grande-medo-ao-terceiro-principio-da-permacultura/.

 

Tags: Ensino de permaculturaÉticaOpiniãoPrincípios

Educandos de psicologia e mais 21 cursos buscam vagas na permacultura

20/03/2017 13:46
Educandos interessados em cursar a disciplina "Introdução à permacultura" (em azul) e aqueles que irão cursá-la nesse semestre (em laranja).

Educandos interessados em cursar a disciplina “Introdução à permacultura” (em azul) e aqueles que irão cursá-la nesse semestre (em laranja).

A décima primeira edição da disciplina Introdução à Permacultura teve uma enorme procura por vagas, com destaque para o curso de psicologia que registrou a maior procura da história da disciplina. Um total de 75 pessoas oriundas de 21 cursos de graduação, um de pós-graduação e pessoas externas à UFSC, solicitaram ingresso em uma das 20 vagas ofertadas na turma de 2017/1.

Após priorizar os alunos do cursos de Geografia e Ciências Biológicas, que apresentam a disciplina em suas grades curriculares, o preenchimento de vagas remanescentes é realizado a partir da lista de suplência fornecida pelo CAGR/UFSC, por intermédio do IAP do educando.

Desde sua primeira edição, uma composição eclética da turma é necessária para que diferentes linhas de pensamento possam enriquecer o aprendizado dos 20 alunos que seguirão até o final do semestre. A troca de saberes é essencial na formação em permacultura e é um objetivo permanente do grupo de 9 instrutores que estarão à frente do processo de ensino nesse semestre.

Um total de 7 pessoas externas à UFSC interessadas em cursar a disciplina participaram dos dois primeiros encontros, bem como um pós-graduando e duas dessas demandas foram atendidas.

A disciplina Introdução à Permacultura é uma iniciativa do Núcleo de Estudos em Permacultura e está vinculada aos cursos de graduação em Geografia e Ciências Biológicas da UFSC.

Acompanhe as atividades da Permacultura UFSC no Facebook

Tags: Ensino de permaculturaPDC

Permacultura e educação ambiental são temas de TCC na geografia

17/12/2016 20:34
Petra Viebrantz e a banca avaliadora de seu trabalho de conclusão de curso.

Petra Viebrantz e a banca avaliadora de seu trabalho de conclusão de curso.

O trabalho de conclusão e curso (TCC) de Petra Viebrantz, que versou sobre “A permacultura como estratégia de educação ambiental formal: potencialidades e limitações“, foi apresentado em 16 de dezembro de 2016 no NEPerma, sob a avaliação da banca constituída pelo orientador Arthur Nanni, a Profa. Rosemy Nascimento doutorando em Geografia e Mestre em Ecossistemas Marcelo Venturi.

O trabalho apresenta uma revisão bibliográfica sobre a permacultura expondo sua visão, os princípios éticos e o método de planejamento espaços, abordando a temática sobre permacultura em escolas e o ensino de educação ambiental formal. O TCC versou sobre as principais políticas públicas e programas relacionados ao tema no Brasil, em Santa Catarina e no município de Florianópolis, contextualizando também a função social das escolas dentro desta temática.

O TCC nasceu de um estudo de caso vinculado ao projeto de extensão “Permacultura na Escola”, realizado na EBM Maria C. Nunes, localizada no bairro Rio Vermelho em Florianópolis entre 2013 e 2014, relatando como se deu a realização do planejamento permacultural e o processo pedagógico de ensino baseado na permacultura desenvolvido na escola, apontando através de resultados de pesquisa, quais foram os potenciais e as limitações encontradas.

Texto de Petra Viebrantz com revisão de Arthur Nanni

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTCC

PermaChico: Formação Franciscana em Permacultura

26/07/2016 16:33

Com o objetivo de implantar um Programa de Formação para a Sustentabilidade e um espaço educador sustentável para os seminaristas e freis franciscanos, a Província São Lourenço de Brindes dos Freis Capuchinhos do Paraná e Santa Catarina firmou junto ao Núcleo de Estudos em Permacultura o Projeto de Formação – Espiritualidade Franciscana e Ecologia.

Seminaristas e freis franciscanos se juntam à equipe do projeto em dinâmica da diversidade.

O projeto compreende um curso de extensão em educação ecológica seguindo os moldes do Curso de Planejamento Permacultural (PDC), carinhosamente denominado como PermaChico, e em 2016 terá a duração de 9 meses.

O PermaChico conta com sete visitas da equipe ao seminário franciscano para as aulas práticas em Almirante Tamandaré/PR e é acrescido de conteúdos a distância compostos por textos, vídeos e exercícios, gerando uma carga horária total de 128 horas.

A equipe do projeto é constituída por permacultores do NEPerma: Aline de Vasconcelos e Marcelo Venturi, com participação especial dos permacultores Letícia dos Santos, Jefferson Mota e Arthur Nanni, além de dois representantes da província franciscana, Luiz Antônio Frigo e Rívea Borges. Um projeto participativo e integrativo, criador e mantenedor de redes de trabalho.

Permacultura em uma palavra.

Segundo os representantes da Província a pretensão é que o programa de formação seja um processo contínuo nas propriedades franciscanas, tornando-se uma ferramenta efetiva de gestão ambiental. Para eles a permacultura é uma forma de estar em coerência e demonstrar o compromisso pessoal e institucional mais responsável com o aspecto ecológico da missão Franciscana.

“Permacultura não é mais um jeito de viver como um ‘natureba individualista’,
mas sim reconhecer-se como parte de um ecossistema, e ficar atentos às consequências que seus atos trazem para ele”

Paulo Daniel Pereira Matias, Seminarista Franciscano

Ao unir os saberes permaculturais e francisclarianos o projeto aposta na permacultura como forma de construir/materializar os caminhos propostos por São Francisco de Assis.

Texto de Aline de Vasconcelos

Diálogo após observação da natureza e prática de leitura da paisagem.

 

Aula PANCs Plantas Alimentícias Não Convencionais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaPermaChico

Curso EaD de planejamento em permacultura

18/09/2015 15:00

ministerios_verticallogoO Núcleo de Estudos em Permacultura da UFSC oferece o curso de planejamento permacultural com inscrições que serão abertas entre os dias 18 e 30 de setembro. Público-alvo: Extensionistas de instituições de ATER que atuem diretamente na extensão rural na agricultura familiar, que já trabalham ou tem interesse de trabalhar com a produção de alimentos orgânicos. Estes profissionais devem estar dispostos a seguir o curso até sua conclusão, considerando que deverão dedicar no mínimo 8 horas semanais durante sua duração. Objetivo: Proporcionar aos extensionistas a compreensão da filosofia da permacultura para o planejamento de propriedades rurais, através de materiais e métodos do formato PDC (Permaculture Design Course), curso de planejamento permacultural com 72 horas de duração reconhecido mundialmente. Metodologia: O material didático é composto por videoaulas produzidas pela equipe do projeto Terra Permanente/NEPerma UFSC (Edital MCTI/MAPA/MDA/MEC/MPA/CNPq N° 81/2013) e materiais de texto e audiovisuais selecionados para complementação do conteúdo. Haverão tutores que atuarão como facilitadores ao longo do curso. A cada módulo uma ou mais atividades de avaliação serão propostas para solução por parte dos participantes. A avaliação e aprovação compreende o atendimento de no mínimo 75% das dessas atividades semanais, somadas à conclusão do projeto final de planejamento permacultural na área de escolha do participante. Vagas: 30 vagas destinadas à extensionistas que se pré-inscreverem e enviarem a documentação solicitada. Período de pré-inscrições: 18 à 30 de setembro de 2015. Resultado das inscrições: 2 de outubro de 2015 em www.permacultura.ufsc.br. Período do curso: 5 de outubro até 29 de novembro de 2015. Período de avaliação do curso: 30 de novembro a 6 de dezembro de 2015. Fornecimento do certificada: Até 14 de dezembro de 2015. Pré-requisitos:

  • Ter acesso à uma propriedade rural para servir de local para o planejamento em permacultura;
  • Acesso à internet que suporte assistir vídeos online e abrir materiais para leitura;
  • Domínio de editores de texto – Word/Writer, Excel/Calc;
  • Câmera fotográfica ou celular com câmera de boa qualidade;
  • Ter noções básicas de topografia;
  • Ter acesso e saber usar o Google Maps e/ou Google Earth;

Documentação necessária:

  • Comprovante, escaneado ou fotografado em boa qualidade, de atuação como extensionista rural em alguma instituição de ATER dentro do território brasileiro.
  • Arquivo de limites da propriedade rural a ser planejada (formato KML do Google Earth) Assista aqui um tutorial para criar o arquivo KML.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS! SELECIONADOS PARA O CURSO A seleção dos candidatos levou em consideração a ordem cronológica de entrega dos documentos solicitados em conformidade com a chamada, incluindo o preenchimento do formulário, o envio de documento comprobatório de vinculação com instituição de ATER e o arquivo KML com a área a ser planejada. Foram desconsioderadas as inscrições de candidatos:

  • cujo documento não comprova a sua vinculação com não vinculados a instituições de ATER
  • cuja área escolhida envolve lote urbano;
  • cuja ordem de entrega tenha sido posterior ao 30º inscrito

Segue a lista dos selecionados para iniciarem as atividades na próxima segunda, dia 5/10/2015.

Extensionistas selecionados Envio documentação Comprobatória
Sergio Augusto Martins Faria 22/092015 15:09
Victor Hugo Pedraça Dias sim
Danilo Dos Anjos Sousa sim
Aldemir Teixeira Da Gama sim
Elisa Braga Saraiva sim
Alexsandro Mello Schmitz sim
Jose Otavio Varella sim
Cícero Batista Sobrinho sim
Odairson Primieri sim
Leandro Fernandes Gomes sim
Luis Fernando Parra Martin sim
Alice Silva Cardoso sim
Antonio Alves Maia Neto sim
Sandra Aparecida Dos Santos sim
Camila Pontes Abu Yaghi Pereira sim
Cláudia Bernardini sim
Luiz Eugênio Jacobs sim
Fabio Benitez Forgiarini sim
Renato De Carvalho Santos Silva sim
Hanny Heni Slany Pereira sim
Sonia Regina De Mello Pereira sim
Rodrigo Francisco sim
Rogerio Pietrzacka sim
Alberto Jorge Viana Da Rocha sim
Emiliana Cordioli sim
José Aloizio Nery sim
Adriane Lobo Costa sim
Sabrina Beatriz Quoos sim
Jaqueline Bernhard sim
Cicero Silva Santos 28/09/15 10:49

Segue o nome dos suplentes caso hajam desistências na primeira semana:

Luciana Neves Sarno Suplente 1
Daniela Stieven Suplente 2
Fausto Veiga de Alvarenga Suplente 3
liane dos santos Suplente 4
Marcelo Bento Nascimento da Silva Suplente 5

Para acessar o conteúdo do curso PDC gratuito e livre: https://grupos.moodle.ufsc.br/course/view.php?id=346

Tags: Ensino à distânciaEnsino de permacultura

Concluído o PDC Terra Permanente

22/10/2014 00:20
Andersson, Fátima, Inácio, Anastácia, Luciano, Letícia, Dianara, Soraya, Lucio Cassandra, Guisela, Arno, Andreia, Theo, Arthur, Marcelo, Grasi (Caio), Rayane, Angela, Reynaldo, Natífio, Celso, Cristiane, Cleusa e Suzano (que fugiu da foto).

Andersson, Fátima, Inácio, Anastácia, Luciano, Leticia, Dianara, Soraya, Lucio Cassandra, Guisela, Arno, Andreia, Theo, Arthur, Marcelo, Grasi (Caio), Rayane, Angela, Reynaldo, Natífio, Celso, Cristiane, Cleusa e Suzano (que fugiu da foto).

Na última semana o NEPerma, em parceria com a ACESPA e CEDEJOR e apoio do MDA e CNPq, concluiu o PDC presencial vinculado ao projeto Terra Permanente. Nessa turma, formaram-se mais 19 permacultores, aptos a multiplicar os conhecimentos da permacultura.

O PDC presencial foi conduzido por 10 instrutores e contou com um total de 105 horas onde os permaculturandos tiveram a oportunidade de vivenciar experiências teóricas e práticas:

  • História da permacultura e a sua inspiração. Por quê Permacultura? (Arthur Nanni)
  • Princípios éticos, dos sistemas e de planejamento (Arthur Nanni)
  • Conceitos fundamentais de ecologia (Jorge Timmermann)
  • Padrões físicos e temporais (Jorge Timmermann)
  • Elementos de paisagem (Jorge Timmermann)
  • Método de planejamento do espaço (Suzana Maringoni)
  • Visita técnica em Yvy Porã (São Pedro de Alcântara/SC)
  • Solos (Marcelo Venturi)
  • Agricultura ecológica (Marcelo Venturi)
  • Sistema Agroflorestais (Grasiela Willrich)
  • Plantas Alimentícias Não-convencionais (Jefferson Mota)
  • Visita técnica no Sítio Silva (Jorge Silva – Anitápolis/SC)
  • Água (Arthur Nanni)
  • Visita técnica no Sítio Igatu (São Pedro de Alcântara/SC)
  • Energia na paisagem (Arthur Nanni)
  • Bioarquitetura (Soraya Nór)
  • Estruturas invisíveis (Arthur Nanni)
  • Diagnóstico rural participativo (Thaise Guzzatti e José Giovani Farias
  • Visita técnica às Unidades Familiares Produtivas em São Bonifácio, Rio Fortuna, Águas Mornas e São Pedro de Alcântara
  • Apresentação dos projetos finais de planejamento permacultural para a Unidade Familiar produtiva.

Em 2015 o NEPerma irá oferecer o seu primeiro PDC à distância, em parceria com o MDA e CNPq.

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente

Lá se foi o quarto bloco do projeto Terra Permanente

16/09/2014 08:55
José Giovani e Thaise conduzindo o diagnóstico rural coletivo.

José Giovani e Thaise conduzindo o diagnóstico rural coletivo.

O NEPerma, em conjunto com a ACESPA e CEDEJOR e apoiado pelo MDA e CNPq, concluiu o quarto bloco PDC presencial do projeto Terra Permanente. Neste bloco foram mais três dias de intensa atividade, incluindo dois dias de campo onde os permaculturandos puderam conhecer as quatro Unidades Familiares Produtivas (UFPs), que serão alvo do projeto final.

No terceiro dia, o Diagnóstico Rural Participativo conduzido pelos colegas José Giovani (Epagri) e Thaise (UFSC), pode fornecer aos cursistas uma visão abrangente da situação da realizada das quatro UFPs, duas de produtores agroecológicos e duas de moradores neorurais em estabelecimento, sendo uma unifamiliar e outra com proposta de ecovila.

O bloco contou ainda com a experiência dos colegas Jorge e Suzana, que acompanharam os três dias do bloco, auxiliando os permaculturandos no diagnóstico.

Jorge, Suzana, Anastácia, Lúcio e Reinaldo conferindo o diagnóstico rural participativo.

Jorge, Suzana, Anastácia, Lúcio e Reinaldo construindo o diagnóstico rural participativo.

Os cursistas caminham agora para o projeto final de planejamento permacultural nas quatro UFPs selecionadas.

Para fechar, o NEPerma ainda participou no sábado dia 13/09, do 2o. Acampamento da Juventude da Agricultura Familiar e da Pesca, em Orleans-SC. A juventude rural pode saber um pouco mais sobre o que é Permacultura e como ela pode ser praticada para gerar maior qualidade de vida no campo.

 

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente

NEPerma conclui o terceiro bloco do PDC Terra Permanente

14/08/2014 23:02
A arquiteta Soraya Nór compartilhando conhecimentos sobre a técnica construtiva com barro bambu-a-pique.

Soraya Nór compartilhando conhecimentos sobre a técnica construtiva com barro bambu-a-pique.

Nesta semana o NEPerma concluiu o 3o. bloco do curso de planejamento permacultural (PDC) do projeto Terra Permanente. Foram mais três dias de intensas atividades junto a ACESPA, parceira no desenvolvimento do projeto Terra Permanente.

Neste bloco, os alunos vivenciaram a discussão acerca da sistematização de águas na paisagem e no ambiente planejado, bioconstruções, energia na paisagem e o seu aproveitamento e, estruturas invisíveis.

Arthur Nanni apresentando do Sistema Agroflorestal (SAF) "de carona" implanto na Zona 3 do sítio Igatu em São Pedro de Alcântara.

Arthur Nanni apresentando do Sistema Agroflorestal (SAF) “de carona” implanto na Zona 3 do sítio Igatu em São Pedro de Alcântara.

Os alunos do curso, representados por agricultores e extensionistas rurais de seis municípios de Santa Catarina, prosseguirão até outubro participando de atividades teórico-práticas para melhor compreender as potencialidades de aplicação da permacultura em suas propriedades rurais, desde a concepção de pequenos elementos até o planejamento sistêmico integrado.

Este bloco do curso contou com duas práticas, a bioconstrução de paredes a partir da técnica construtiva bambu-a-pique e também, a visita técnica ao sítio Igatu, para verificação de conhecimentos até aqui compartilhados, como distribuição de zonas, seus elementos constituintes e formas de manejo integradoras entre zonas energéticas da propriedade rural.

“Sinta o fluxo e trabalhe com ele”

Em tudo existe energia, então, se a gente não souber sentir aonde está esta energia no espaço em que a gente tá, a gente não vai conseguir trabalhar com esse fluxo e não vai deixar a natureza fazer o trabalho dela e a gente conseguir trabalhar junto com ela.

Reinaldo de Souza – agricultor de Rio Fortuna – SC

 O curso de planejamento permacultural do projeto Terra Permanente tem o apoio do MDA e CNPq.

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente

NEPerma conclui o segundo bloco do curso de permacultura

20/07/2014 19:24
Visita técnica a propriedade de Anastácia Schmitt.

Visita técnica a propriedade de Anastácia Schmitt.

O NEPerma concluiu nesta semana o segundo bloco do Curso de Planejamento Permacultural na grande Florianópolis. Este módulo focou no tema produção de alimentos, onde foram abordados o manejo ecológico de solos, ecologia cultivada, plantas alimentícias não convencionais e sistemas agroflorestais. Os permacultores Marcelo Venturi, Grasiela Willrich e Jefferson Mota compartilharam seus conhecimentos com a turma de alunos, que abrange predominantemente agricultores a extensionistas rurais.

Neste segundo bloco os alunos meteram a mão-na-massa, aprendendo desde o manejo de plantas espontâneas, uso do pé-de-galinha para estabelecimento de canais de infiltração/escoamento e plantio de arranjos agroflorestais.

Visita à propriedade do permacultor Jorge Silva.

Visita à propriedade do permacultor Jorge Silva.

O bloco contou com duas visitas técnicas de campo, uma à propriedade da aluna Anastácia em São Pedro de Alcântara e outra, na propriedade do permacultor Jorge Silva no município de Anitápolis-SC.

Alunos aprendendo o uso do pé-de-galinha para estabelecimento do canal de infiltração/escoamento.

Alunos aprendendo o uso do pé-de-galinha para estabelecimento do canal de infiltração/escoamento.

O curso completo envolverá os alunos num total de 105 horas em 5 blocos. Os próximos apresentarão manejo de águas, estruturas invisíveis, diagnóstico rural participativo e acesso a mercados. O curso terá como avaliação final a construção de um projeto permacultural do espaço produtivo, baseado em unidades familiares produtivas dos próprios alunos.

O curso de planejamento permacultural do projeto Terra Permanente tem o apoio do MDA e CNPq.

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente

NEPerma inicia o projeto Terra Permanente

09/06/2014 22:09

Os colegas Marcelo e Arno no primeiro dia.

Nesta segunda teve início a etapa de extensão do projeto Terra Permanente, que ocorre nas dependências da Associação Campo e Ervas de São Pedro de Alcântara (ACESPA) na grande Florianópolis. O projeto conta com financiamento do Ministério de Desenvolvimento Agrário e CNPq e é uma iniciativa do NEPerma em parceira com a ACESPA e CEDEJOR.

Esta etapa do projeto prevê a formação de 25 permacultores e abrange 6 municípios da grande Florianópolis. O público do curso envolve agricultores, extensionistas rurais e professores universitários, que irão vivenciar experiências da permacultura, através de um Curso de Planejamento Permacultural com 90 horas.

Agricultor agroecológico Natifio de São Bonifácio e outros permaculturandos.

 

O curso conta com a experiência dos permacultores Arthur Nanni, Grasiela  Willrich, Jefferson Mota, Jorge Silva, Jorge Timmermann, Marcelo Venturi e Suzana Maringoni. O programa do curso tem previstos mais 4 encontros até outubro e contará com 6 atividades técnicas de campo, com visitação em propriedades que contam com planejamento permacultural na grande Florianópolis.

Ao longo do curso serão selecionadas 5 propriedades rurais que serão monitoradas na segunda etapa do projeto através de uma metodologia de pesquisa-ação, voltada para o entendimento de como a permacultura pode agregar qualidade de vida a agricultura familiar.

Tags: Educação ambientalEnsino de permaculturaTerra Permanente
  • Página 2 de 2
  • 1
  • 2