Permacultura | Permaculture
  • PermaChico: Formação Franciscana em Permacultura

    Publicado em 26/07/2016 às 16:33

    Com o objetivo de implantar um Programa de Formação para a Sustentabilidade e um espaço educador sustentável para os seminaristas e freis franciscanos, a Província São Lourenço de Brindes dos Freis Capuchinhos do Paraná e Santa Catarina firmou junto ao Núcleo de Estudos em Permacultura o Projeto de Formação – Espiritualidade Franciscana e Ecologia.

    Seminaristas e freis franciscanos se juntam à equipe do projeto em dinâmica da diversidade.

    O projeto compreende um curso de extensão em educação ecológica seguindo os moldes do Curso de Planejamento Permacultural (PDC), carinhosamente denominado como PermaChico, e em 2016 terá a duração de 9 meses.

    O PermaChico conta com sete visitas da equipe ao seminário franciscano para as aulas práticas em Almirante Tamandaré/PR e é acrescido de conteúdos a distância compostos por textos, vídeos e exercícios, gerando uma carga horária total de 128 horas.

    A equipe do projeto é constituída por permacultores do NEPerma: Aline de Vasconcelos e Marcelo Venturi, com participação especial dos permacultores Letícia dos Santos, Jefferson Mota e Arthur Nanni, além de dois representantes da província franciscana, Luiz Antônio Frigo e Rívea Borges. Um projeto participativo e integrativo, criador e mantenedor de redes de trabalho.

    Permacultura em uma palavra.

    Segundo os representantes da Província a pretensão é que o programa de formação seja um processo contínuo nas propriedades franciscanas, tornando-se uma ferramenta efetiva de gestão ambiental. Para eles a permacultura é uma forma de estar em coerência e demonstrar o compromisso pessoal e institucional mais responsável com o aspecto ecológico da missão Franciscana.

    “Permacultura não é mais um jeito de viver como um ‘natureba individualista’,
    mas sim reconhecer-se como parte de um ecossistema, e ficar atentos às consequências que seus atos trazem para ele”

    Paulo Daniel Pereira Matias, Seminarista Franciscano

    Ao unir os saberes permaculturais e francisclarianos o projeto aposta na permacultura como forma de construir/materializar os caminhos propostos por São Francisco de Assis.

    Texto de Aline de Vasconcelos

    Diálogo após observação da natureza e prática de leitura da paisagem.

     

    Aula PANCs Plantas Alimentícias Não Convencionais.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     


  • A 9ª turma de permacultures taí

    Publicado em 11/07/2016 às 23:16
    9ª turma de permacultorxs.

    9ª turma de permacultores. Júlia, Ana Clara, Marina, Carina, Isis, Luca, Lucas, Raiane, Renan, Cláudia, Yasmin, Juana, Isabella, Pedro, Charles, Leonardo, Gustavo, Rinaldo, Miriam. Luiz. Instrutores: Marcelo, Iana. Arno e Arthur. Evandro no fundão será nosso estagiário de docência para o próximo semestre.

    A disciplina Introdução à Permacultura (GCN7938), uma iniciativa do NEPerma, acaba de certificar mais 20 novos permacultores. No total, 173 educandos se formaram pelo Núcleo em ações de ensino e extensão. Esta turma seguiu na mesma linha das anteriores, com participação de alunos da UFSC de diferentes cursos de graduação, dentre eles, geografia, biologia, design, agronomia e outros. Desta forma, o NEPerma confirma seu compromisso com a transdisciplinaridade na academia.

    O projeto final de planejamento territorial desenvolvido pelos alunos do semestre 2016/1, envolveu o planejamento de um sítio unifamiliar em São Pedro de Alcântara na grande Florianópolis. A turma foi divida em três grupos, que apresentaram diferentes ideias em relatórios, mapas e maquetes digitais.

    No próximo semestre as aulas acontecerão nas tardes das sextas e nosso âncora de turma será o permacultor Arno Blankensteyn.

    Após a conclusão de mais esse PDC perguntamos aos educandos:

    O que é permacultura para você?

    Veja algumas respostas abaixo…

    Permacultura para mim é o desfrutar da liberdade observado na natureza. Liberdade de criar, pensar, agir, testar, errar, ousar, tentar, acertar, fomentar, lutar pelo o que acredita. É a simples e complexa conexão entre os seres vivos e menos vivos que faz encontrar propósitos e sonhos, não para alcançá-los necessariamente, mas para aproveitar a caminhada até eles…
    Yasmin – Nutrição
    AMOR

    AMOR por si próprio.
    AMOR ao próximo.
    AMOR pela Natureza.

    Raiane – geografia

    Permacultura é uma filosofia de vida que sempre respeita os seres vivos e o ambiente.

    Carina – agronomia

    Uma forma de viver autônoma e ao mesmo tempo coletiva, que busca cumprir as necessidades de sobrevivência – comida, bebida, lazer, vestimenta, espiritualidade, criatividade e ofício – de maneira harmônica com a natureza, considerando-se parte dela. É revolucionária por definição, e busca o viver em simbiose com o meio, aprendendo com ele e vivendo com ele. É um constante aprendizado, que coloca em xeque as noções mais básicas do sistema urbano-capitalista.

    Luiz – geografia

    A permacultura é a desconstrução do que fomos projetados para ser: escravos do sistema. Hoje, tudo isso se revela como um novo caminho, de muitas renúncias e sonhos. Não sei bem como será a partir de agora, mas sei que não consigo mais ver o mundo, as pessoas e a natureza da mesma forma. Hoje busco me planejar para que um dia tudo isso possa ser realmente parte da minha vida, e não apenas um sonho ou utopia

    Miriam – jornalismo

    Permacultura para mim é um estilo de vida onde existe o respeito às outras formas de vida e ao universo. É um resgate da união do ser humano com o seu meio

    Juana – biologia

     

    Permacultura, para mim, é uma maneira amorosa de se relacionar com o
    mundo. Permacultura é amor, beleza, liberdade, respeito e cuidado.

    Isabella – eng. sanitária e ambiental

    Permacultura pra mim se tornou não só uma válvula de escape que eu utilizo para pensar e querer mudar os processos do mundo de forma utópica, como também uma válvula de pressão que me faz querer realmente mudar. Mudar começando com a mudança da mente, do que já consigo fazer… diminuir o consumo, olhar pro outro como amigo e não competidor, pensar nos problemas como soluções e assim por diante e logo após pensar na mudança externa, do que pode ser feito em harmonia com a natureza, usando os preceitos permaculturais de formas criativas, acessíveis…potencializando os ganhos, diminuindo as perdas.

    Cláudia – geografia

    A permacultura se trata de um resgate, um resgate sobre uma forma de conhecimento que foi deixado de lado pelo processo civilizatório dos últimos séculos. É aprender a fluir com a natureza e com ela seguir em frente, sem deixar rastros.

    Pedro – biologia

    Permacultura não é definição, é sentimento.
    Permacultura não é cultivo, é estilo de vida.
    Permacultura somasse quando se divide.
    Permacultura é verbo.
    Permacultura é sentir.
    respirar,
    cuidar,
    cativar…
    Amar.
    Leonardo – geografia

    Permacultura é a integração da sabedoria ancestral com o conhecimento científico e tecnológico para o desenvolvimento de processos sistêmicos e criativos, visando uma ocupação planetária responsável e harmoniosa com o ambiente. É saúde integral e qualidade de vida, em busca de um futuro possível.
    Júlia

    Com a permacultura, aprendi de que forma posso contribuir para a construção de um projeto de vida saudável e coletivo a partir do lugar de onde parto, trazendo uma bagagem nas costas; bagagem esta que vai ser diferente da de outras pessoas, e assim vamos aprendendo uns com os outros.

    Isis – geografia


  • A voz do vento

    Publicado em 20/06/2016 às 16:23

    O NEPerma conclui a versão em português brasileiro das legendas do documentário La voz del viento. Foram alguns meses de trabalho com a coordenação da permacultura Morgana Mayer com apoio de Jorge Timmermann,  Arthur Nanni, Marcelo Venturi, Rodrigo Arruda,  Leticia dos Santos na tradução e sincronização de legendas. A tarefa ainda contou com a adequação de leiaute que foi executado por Elisa Alcocer.

    O documentário fala de Jean Luc Danneyrolles, agricultor da provenza Francesa e Carlos Pons, documentarista Espanhol. Ambos organizam uma viagem até Granada ao encontro de movimentos sociais alternativos que buscam a agroecologia, a permacultura e mudanças de paradigma. Com uma câmera na mão partem para esta viagem que percorreu os dias frios de fevereiro de 2012, levando consigo uma grande coleção de sementes como moeda de troca. É um verdadeiro testemunho de um movimento que cresce no mundo e se faz possível aqui e agora.

    Dados sobre a viagem:

    – 21 dias de viagem

    – 35 projetos visitados

    – Mais de 200 pessoas encontradas

    – 9 parques naturais

    (Mapa interativo da viagem em g.co/maps/8mvgt)

    ——————–

    Participantes:

    Direção / Montagem / Sons / Roteiro: Carlos Pons

    sementes / Poemas: Jean-Luc Danneyrolles

    Imagens: Samuel Domingo

    Montagem: Manu de la Reina

    Produção: Virginia Cabello, Benoit Bianciotto

    Trilha Sonora: Felah Mengus; Marta Gomez; Enrique Morente; Keny Arkana

    Tradução / Assessor de texto francês: Benoit Bianciotto

    Co-produção: Patrice Scanu


  • Projeto de Recuperação Ambiental do Bosque da UFSC

    Publicado em 20/05/2016 às 15:53

    O bosque da UFSC é uma das principais áreas verdes do campus, apresentando relevante importância para a qualidade de vida no ambiente universitário enquanto espaço de convivência. Encontra-se na porção sul do campus Trindade ao lado dos Centros de Filosofia e CIências Humanas (CFH) e o de Educação (CED) e compreende uma área de aproximadamente 50.000 m2. Constitui-se por aŕeas em diferentes estágios de sucessão ecológica, umas mais degradadas em estágio inicial e outras, em estágios mais avançado com vegetação bem desenvolvida. O Bosque também apresenta cursos de água, caracterizando a maior parte de sua extensão como área de preservação permanente.

    A proposta de recuperação ambiental do bosque é uma iniciativa da Comissão de Revitalização do CFH, em parceria com o NEPerma e a Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC e está em curso desde 2014. O objetivo é aliar a recuperação das áreas degradadas à produção de alimentos através da implantação de agroecossistemas planejados segundo a filosofia da permacultura.

    Área do bosque junto ao CFH e CED.

    Área do bosque junto ao CFH e CED.

    O planejamento permacultural do Bosque da UFSC é uma etapa fundamental no processo de recuperação da área, bem como para a continuação e realização dos objetivos do projeto, pois servirá como diretriz para as ações do uso e manejo desta importante área verde. Este planejamento, que poderá ser utilizado como subsídio para um possível Plano de Manejo do Bosque da UFSC, está sendo desenvolvido com base nos princípios de planejamento da permacultura, dentre os quais está o conceito de zonas energéticas, que serviu como base para esta primeira fase de planejamento. O zoneamento energético tem como objetivo a organização do espaço com base nas necessidades energéticas de cada local, de maneira que áreas que demandam maior investimento de energia e trabalho no seu uso e manejo estejam localizadas próximas ao centro de energia, neste caso representado pela sede do projeto.
    Para a definição das zonas energéticas na área do Bosque levou-se em consideração os elementos que já estavam presentes no local: espécies arbóreas, áreas de uso consolidado, locais de convivência e circulação, infraestrutura predial, etc. A partir dessa análise, foram definidos locais para a implementação de agroecossistemas de acordo com o propósito de cada zona energética, sendo adotadas técnicas de plantio mais intensivo próximo a zona 0 e menos intenso nas áreas caracterizadas como zona 3, conforme a Figura 2. A proposta de usos e manejo para cada zona energética é descrita a seguir.

    Planejamento por zonas energéticas da permacultura.

    Permaculture energetic zones design.

    Zona 0 – Sede do projeto
    Localizada na porção mais elevada do Bosque, será constituída pela sede do projeto e do Parque Ambiental da UFSC, a qual servirá como recepção para visitantes, ações educativas, centro de convivência e reuniões e atividades administrativas. Esta zona abrigará uma edificação bioconstruída.
    Zona 1 – Horta, início do circuito didático, espiral de ervas, compostagem, minhocário
    Próxima à sede, a zona 1 será constituída por uma horta modelo de técnicas agroecológicas, pelo início do circuito didático, espiral de ervas aromáticas e medicinais, espaço para compostagem microbiana e minhocário.
    Zona 2 – Pomares
    A zona 2 será constituída principalmente por um pomar permacultural, com árvores frutíferas e de interesse ecológico, que será implementado na área hoje ocupada por eucaliptos.
    Zona 3 – Sistemas agroflorestais
    A zona 3 do Bosque será destinada à implantação de sistemas agroflorestais multifuncionais que servirão como mata ciliar para os cursos de água onde há ausência de vegetação e em áreas abertas e degradadas.

    Zona 5 – área de convivência, inspiração e regeneração natural
    Foram definidas como zona 5 as áreas que apresentam vegetação já consolidada, em avançado estágio de sucessão, e as áreas utilizadas para descanso e convivência.
    O projeto segue em execução e conta com a realização de mutirões de manejo agroecológico, onde são compartilhados os conhecimentos a respeito da filosofia da permacultura e de técnicas de produção de alimentos e recuperação de áreas degradadas adotadas.
    Para saber mais:
    http://gestaoambiental.ufsc.br/projeto-bosque/
    https://www.facebook.com/groups/Permacultura.UFSC/


  • Acadêmicos de diversos cursos buscam saber mais sobre permacultura

    Publicado em 19/04/2016 às 15:46
    Procura por vagas (interessados) e vagas preenchidas (efetivados) para a disciplina "Introdução à Permacultura" em 2016/1.

    Procura por vagas (interessados) e vagas preenchidas (efetivos) para a disciplina “Introdução à Permacultura” em 2016/1.

    A nona edição da disciplina Introdução à Permacultura teve uma enorme procura por vagas, totalizando 83 pessoas oriundas de 28 cursos de graduação e pessoas externas à UFSC, que solicitaram ingresso em uma das 20 vagas ofertadas na turma de 2016/1.

    O processo de seleção de alunos seguiu o critério adotado desde 2014/1 que, após priorizar os alunos do curso de geografia, que hospeda a disciplina, preenche as vagas remanescentes a partir da lista de suplência fornecida pelo CAGR/UFSC, por intermédio do IAP do aluno.

    Neste semestre foi registrado um aumento expressivo de alunos do curso de Ciências Biológicas interessados em cursar a disciplina. Isso se deve pelo fato da disciplina ter sido inserida como optativa nos cursos de Ciência Biológicas Bacharelado e Licenciatura.

    A busca pela diversidade de linhas de pensamento no preenchimento das vagas da disciplina, faz-se necessária, para que os 20 alunos que seguirão até o final do semestre, possam vivenciar um intercâmbio mais intenso de informações entre colegas de diferentes áreas do conhecimento, enriquecendo as aulas que passam a orbitar em diferentes linguagens técnicas.

    Um total de 8 pessoas externas à UFSC interessadas em cursar a disciplina participaram dos dois primeiros encontros. Nenhuma destas demandas pode ser atendida, pois a suplência na matrícula prioriza o ingresso de alunos da UFSC.

    A disciplina Introdução à Permacultura é uma iniciativa do Núcleo de Estudos em Permacultura e está vinculada ao curso de graduação em Geografia da UFSC. A criação de uma segunda disciplina foi solicitada junto ao curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo e segue em apreciação.

    Acompanhe as atividades da Permacultura UFSC no Facebook


  • Permacultura 2016/1 no CFH

    Publicado em 13/12/2015 às 11:39
    Educandos do PDC Terra Permanente em 2014.

    Educandos do PDC Terra Permanente em 2014.

    Em 2016/1 haverá mais um edição da disciplina Introdução à permacultura, que possui o mesmo currículo e carga horária de um Permaculture Design Course (PDC), reconhecido internacionalmente.

    Neste período de matrículas procure por GCN7938 – Introdução à permacultura e efetive sua matrícula, mesmo que o sistema acuse “sem vagas”. As aulas que constituem o curso de 72 horas ocorrerão nas tardes das quartas-feiras e temos previstas 2 atividades de campo.

    Um total de 8 vagas adicionais serão definidas ao final do segundo encontro (2ª semana). Efetive a matrícula no CAGR e Apareça nos dois primeiros encontros para acompanhar a definição do preenchimento das vagas.

    As aulas desse semestre ocorrerão na sala 332 do CFH. Lembre-se, se você cadastrou a matrícula, participe das duas primeiras aulas para pleitear vaga.


  • 8ª turma de permacultores é certificada na UFSC

    Publicado em 01/12/2015 às 17:16
    A 8ª turma com Geovano, Alex, Lucas, Josie, Marcela, Reginaldo, Elisa, Valéria, Ingrid, Marina, Jordi, Junior, Henrique e Gabriel

    A 8ª turma com Geovano, Alex, Lucas, Josiane, Marcela, Reginaldo, Elisa, Valéria, Ingrid, Marina, Jordi, Junior, Henrique e Gabriel

    Por meio da disciplina Introdução à Permacultura (GCN7938), o NEPerma acaba de formar mais 15 novxs permacultores. No total, 153 educandos se formaram pelo Núcleo em ações de ensino e extensão. Esta turma seguiu na mesma linha das anteriores, com participação de alunos da UFSC de diferentes cursos de graduação, dentre eles, geografia, geologia, artes cênicas, agronomia e outros. Desta forma, o NEPerma confirma seu compromisso com a transdisciplinaridade na academia.

    Monique que fugiu da foto.

    Monique que fugiu da foto.

    O projeto final de planejamento territorial desenvolvido pelos alunos do semestre 2015/2, envolveu a criação de uma proposta de sede para um sítio unifamiliar em São Pedro de Alcântara na grande Florianópolis. A turma foi divida em três grupos, que apresentaram diferentes ideias em relatórios, mapas e maquetes digitais.

    Alguns depoimentos dos estudantes e, agora, permacultorxs que poderão compartilhar seus conhecimentos com a sociedade:

    “A Permacultura pra mim é uma filosofia de vida, é uma rebeldia do sistema, é um ponto (ainda) fora da reta. Permacultura é a pílula vermelha do Matrix, é o despertar da consciência, é ter conhecimento de como funciona o mundo, de onde vem as coisas, da produção dos alimentos, das roupas, do modelo social que vivemos.”

    Marcela Meyer – Biologia

     

    “Permacultura é um estilo de vida, no qual nos conectamos a todas as esferas da vida para viver em harmonia com o meio ambiente e com nós mesmos.”

    Reginaldo Lemos – Geologia

    “Fazer o PDC foi uma experiência transformadora. A quantidade e a diversidade dos saberes e conhecimentos reunidos no curso fazem com que passemos a olhar TUDO de uma forma diferente, sempre tentando aproveitar movimentos e acontecimentos para chegar aonde queremos ao invés de tirar tudo do caminho e começar sempre do zero.”

    Lucas Santo – Design

     

    “Ao concluir o PDC, percebi que a Permacultura torna completamente obsoleto o modo vigente de produção, consumo e interação com a natureza. Assim, é uma importante ferramenta de mudança e empoderamento, já que aponta alternativas e soluções.

    A Permacultura é um esforço para o estabelecimento de um sistema cíclico, autossuficiente, permanente e libertador. É uma forma de reconexão entre homem e natureza, o qual observa, interage e se adapta a ela e não a molda. É uma resposta ao paradigma mecanicista vigente, baseado em um sistema técnico único de produção, o qual anula as características do local onde é implantado.

    Para mim, a Permacultura representa uma possibilidade de libertação da prisão sem grades onde estamos mantidos, e da qual muitos nem sequer sonham com a fuga, já que têm amor à sua escravidão, mantida pelo consumo e divertimento.”

    Marina Clasen

    “Permacultura é compreender que devemos estar de bem com tudo e todos que temos ao nosso redor, é aproveitar mais a vida em detrimento do capital, que devemos estar em harmonia com o ambiente no qual estamos situados e com as pessoas em sociedade. Precisamos disso para sermos literalmente felizes com o que fazemos e temos, indo além de técnicas e procedimentos. Significa uma mudança de mentalidade, com apoio do aparato científico, e também de contracultura frente a exigência que o capital incita. A Permacultura é inovadora, reflexiva e fundamental à nossa existência, pois nos faz construir o comportamento que devemos ter para com a natureza, assim como os demais seres já o realizam, nos tornando verdadeiramente seres ditos racionais. A natureza tende a autorregulação e a Permacultura é a via como esta autorregulação pode e deve ser concretizada pela sociedade. Pela sua importância, deveria ser mais um dos temas transversais que deveriam integrar o currículo das escolas para a plena formação cidadã das novas gerações.”

    Geovano Hoffmann – Geografia

    “Bom, antes de frequentar a disciplina de Introdução à Permacultura do departamento de Geociências, me parecia uma proposta para prática de agricultura sustentável que oferecia uma série de técnicas e soluções para quem estivesse interessado em uma outra alternativa. Logo no início da disciplina tive medo que esse conhecimento não estivesse ao alcance de quem não fosse da área e que talvez fosse melhor aceitar isso. Porém, assim como todos que disputaram uma vaga nessa disciplina, eu também estava ali por sentir que as coisas como “são”, não é mais uma alternativa aceitável. Então aula após aula, os princípios do design da permacultura foram fazendo cada vez mais e mais sentido, a leitura da paisagem e os fluxos de energia me mostram um planeta vivo, pulsando a cada instante junto com comigo. E aquela primeira impressão de um série de técnicas se transforma em uma percepção sistêmica do espaço que habito, o planeta.”

    Valéria Gontarczyk – História


  • Curso EaD de planejamento em permacultura

    Publicado em 18/09/2015 às 15:00

    ministerios_verticallogoO Núcleo de Estudos em Permacultura da UFSC oferece o curso de planejamento permacultural com inscrições que serão abertas entre os dias 18 e 30 de setembro. Público-alvo: Extensionistas de instituições de ATER que atuem diretamente na extensão rural na agricultura familiar, que já trabalham ou tem interesse de trabalhar com a produção de alimentos orgânicos. Estes profissionais devem estar dispostos a seguir o curso até sua conclusão, considerando que deverão dedicar no mínimo 8 horas semanais durante sua duração. Objetivo: Proporcionar aos extensionistas a compreensão da filosofia da permacultura para o planejamento de propriedades rurais, através de materiais e métodos do formato PDC (Permaculture Design Course), curso de planejamento permacultural com 72 horas de duração reconhecido mundialmente. Metodologia: O material didático é composto por videoaulas produzidas pela equipe do projeto Terra Permanente/NEPerma UFSC (Edital MCTI/MAPA/MDA/MEC/MPA/CNPq N° 81/2013) e materiais de texto e audiovisuais selecionados para complementação do conteúdo. Haverão tutores que atuarão como facilitadores ao longo do curso. A cada módulo uma ou mais atividades de avaliação serão propostas para solução por parte dos participantes. A avaliação e aprovação compreende o atendimento de no mínimo 75% das dessas atividades semanais, somadas à conclusão do projeto final de planejamento permacultural na área de escolha do participante. Vagas: 30 vagas destinadas à extensionistas que se pré-inscreverem e enviarem a documentação solicitada. Período de pré-inscrições: 18 à 30 de setembro de 2015. Resultado das inscrições: 2 de outubro de 2015 em www.permacultura.ufsc.br. Período do curso: 5 de outubro até 29 de novembro de 2015. Período de avaliação do curso: 30 de novembro a 6 de dezembro de 2015. Fornecimento do certificada: Até 14 de dezembro de 2015. Pré-requisitos:

    • Ter acesso à uma propriedade rural para servir de local para o planejamento em permacultura;
    • Acesso à internet que suporte assistir vídeos online e abrir materiais para leitura;
    • Domínio de editores de texto – Word/Writer, Excel/Calc;
    • Câmera fotográfica ou celular com câmera de boa qualidade;
    • Ter noções básicas de topografia;
    • Ter acesso e saber usar o Google Maps e/ou Google Earth;

    Documentação necessária:

    • Comprovante, escaneado ou fotografado em boa qualidade, de atuação como extensionista rural em alguma instituição de ATER dentro do território brasileiro.
    • Arquivo de limites da propriedade rural a ser planejada (formato KML do Google Earth) Assista aqui um tutorial para criar o arquivo KML.

    INSCRIÇÕES ENCERRADAS! SELECIONADOS PARA O CURSO A seleção dos candidatos levou em consideração a ordem cronológica de entrega dos documentos solicitados em conformidade com a chamada, incluindo o preenchimento do formulário, o envio de documento comprobatório de vinculação com instituição de ATER e o arquivo KML com a área a ser planejada. Foram desconsioderadas as inscrições de candidatos:

    • cujo documento não comprova a sua vinculação com não vinculados a instituições de ATER
    • cuja área escolhida envolve lote urbano;
    • cuja ordem de entrega tenha sido posterior ao 30º inscrito

    Segue a lista dos selecionados para iniciarem as atividades na próxima segunda, dia 5/10/2015.

    Extensionistas selecionados Envio documentação Comprobatória
    Sergio Augusto Martins Faria 22/092015 15:09
    Victor Hugo Pedraça Dias sim
    Danilo Dos Anjos Sousa sim
    Aldemir Teixeira Da Gama sim
    Elisa Braga Saraiva sim
    Alexsandro Mello Schmitz sim
    Jose Otavio Varella sim
    Cícero Batista Sobrinho sim
    Odairson Primieri sim
    Leandro Fernandes Gomes sim
    Luis Fernando Parra Martin sim
    Alice Silva Cardoso sim
    Antonio Alves Maia Neto sim
    Sandra Aparecida Dos Santos sim
    Camila Pontes Abu Yaghi Pereira sim
    Cláudia Bernardini sim
    Luiz Eugênio Jacobs sim
    Fabio Benitez Forgiarini sim
    Renato De Carvalho Santos Silva sim
    Hanny Heni Slany Pereira sim
    Sonia Regina De Mello Pereira sim
    Rodrigo Francisco sim
    Rogerio Pietrzacka sim
    Alberto Jorge Viana Da Rocha sim
    Emiliana Cordioli sim
    José Aloizio Nery sim
    Adriane Lobo Costa sim
    Sabrina Beatriz Quoos sim
    Jaqueline Bernhard sim
    Cicero Silva Santos 28/09/15 10:49

    Segue o nome dos suplentes caso hajam desistências na primeira semana:

    Luciana Neves Sarno Suplente 1
    Daniela Stieven Suplente 2
    Fausto Veiga de Alvarenga Suplente 3
    liane dos santos Suplente 4
    Marcelo Bento Nascimento da Silva Suplente 5

    Para acessar o conteúdo do curso PDC gratuito e livre: https://grupos.moodle.ufsc.br/course/view.php?id=346


  • NEPerma e CAMP promovem mutirão no bosque do CFH

    Publicado em 01/09/2015 às 15:16
    A turma carregando composto para os canteiros

    A turma carregando composto para os canteiros

    NEPerma e o Centro Acadêmico Martelo de Prata do curso de graduação em geologia promoveram na última sexta, uma ação coletiva de construção de canteiros em uma área de erosão no bosque do CFH. Foi mais uma etapa do projeto de Recuperação de Áreas Degradadas do Bosque do CFH, que conta com a parceria da Gestão Ambiental da UFSC.

    O mutirão congregou alunos dos cursos de geologia e geografia em ações que envolveram a implantação de canteiros em nível para a contenção de processos erosivos e a reorganização do Sistema Agroflorestal adotado para recomposição de margem de um dos córregos que corta o bosque.

    Canteiros para contenção de processo erosivo junto ao planetário.

    Canteiros para contenção de processo erosivo junto ao planetário.

    A prática mostrou que muitas mãos dão conta com maior facilidade de tarefas repetitivas, tão necessárias para o estabelecimento de um cenário que seja favorável a abundância de espécies vegetais alimentícias, tornando o bosque um local de confraternização e aprendizado.

    As atividades do projeto vinham acontecendo há pelo menos 6 meses e contam com o empenho de dois bolsistas, Guilherme Fabrin (geografia) e Pedro Buss (biologia), que seguem tocando o manejo das áreas escolhidas como prioritárias para a recuperação ambiental. Desde agosto, a realização de ações coletivas estão sendo possíveis por meio da aquisição de um conjunto de ferramentas.

    Novas oficinas e cursos estão por vir. Caso deseje participar das ações entre em contato com o NEPerma –


  • A composição da turma 2015/2 de permacultura

    Publicado em 21/08/2015 às 13:54
    Resultado para a turma de 2015/2. Interessados em cursar a disciplina e efetivados na turma.

    Resultado para a turma de 2015/2. Interessados em cursar a disciplina e efetivados na turma.

    A oitava edição da disciplina Introdução à Permacultura teve uma enorme procura por vagas, totalizando 94 pessoas oriundas de 28 cursos de graduação e externos à UFSC, que solicitaram ingresso em uma das 20 vagas ofertadas na turma de 2015/2.

    O processo de seleção de alunos seguiu o critério adotado desde 2014/1 que, após priorizar os alunos do curso de geografia, que hospeda a disciplina, preenche as vagas remanescentes a partir da lista de suplência fornecida pelo CAGR/UFSC.

    Neste semestre foram preenchidas mais 10 vagas, com destaque para os cursos de graduação em geografia, agronomia, biologia e design.

    A busca pela diversidade de linhas de pensamento no preenchimento das vagas da disciplina, faz-se necessária, para que os 20 alunos que seguirão até o final do semestre, possam vivenciar um intercâmbio mais intenso de informações entre colegas de diferentes áreas do conhecimento, enriquecendo as aulas que passam a orbitar em diferentes linguagens técnicas.

    Um importante registro foi a busca pelas vagas adicionais por 9 pessoas externas à UFSC interessadas em cursar a disciplina. Nenhuma destas demandas pode ser atendida, pois a suplência na matrícula prioriza o ingresso de alunos da UFSC. Desta forma, se você é aluno da UFSC e deseja cursar Introdução à Permacultura, efetive sua matrícula no próximo processo de matrícula e compareça nos dois primeiros encontros.

    A disciplina Introdução à Permacultura é uma iniciativa do Núcleo de Estudos em Permacultura e está vinculada ao curso de graduação em Geografia da UFSC.

    Acompanhe as atividades da Permacultura UFSC no Facebook