Permacultura | Permaculture
  • Introdução à permacultura retorna no remoto

    Publicado em 12/05/2021 às 10:50

    A permacultura por Júlia Feijó.

    No próximo semestre a disciplina “Introdução à permacultura” será ofertada através do ensino remoto. Na matrícula entre 20 e 24 de maio os alunos interessados em cursá-la deverão buscar pelo código EDC1476. A disciplina não possui pré-requisitos e está aberta a todos/as educandos/as da UFSC.

    Seguindo a lógica de seleção, o sistema de matrículas da UFSC priorizará os alunos do curso de Licenciatura em Educação do Campo e depois aqueles vinculados a outros departamentos.

    As aulas ocorrerão de forma mista incluindo momentos assíncronos e síncronos nas manhãs dos sábados. Estão previstas duas aulas assíncronas que trarão roteiros de campo em substituição às aulas práticas que não poderão ser realizadas em virtude do distanciamento social.

     

     

     


  • Permacultura no sistema alimentar

    Publicado em 29/04/2021 às 00:00

    Yasmin Monteiro e Arthur Nanni trazem uma prosa sobre permacultura e sua relação com o desenvolvimento da segurança alimentar e nutricional. Como a permacultura pode ser aplicada na produção, processamento, comercialização, consumo e descarte de alimentos para gerar ciclos de vida, ao invés de cadeias lineares de produtividade? O papel da sociobiodiversidade e das redes autogestionáveis na garantia do direito à alimentação adequada, saudável e sustentável. Acompanhe conosco as éticas e os princípios da permacultura utilizados em experiências exitosas de soberania alimentar ao redor do mundo. A conversa foi gravada para ser apresentada na 3ª edição do Congresso Brasileiro Online de Comportamento Alimentar, Alimentação e Saúde.

    O projeto Permacultura em prosa é uma iniciativa de extensão do NEPerma/UFSC e da Rede NEPerma Brasil em parceria com o Departamento de Educação do Campo da UFSC. Assista outros episódios em nosso canal no YouTube.


  • Agroflorestinha – ensinando autonomia e sustentabilidade

    Publicado em 28/03/2021 às 00:07

    O Permacultura em prosa traz Jefferson Mota e Arthur Nanni em uma prosa sobre uma nova metodologia de ensino sobre Sistemas Agroflorestais a partir de uma ferramenta lúdica – porém sem deixar de lado a “complexidade” existente em sistemas agroflorestais. Desenvolvida a partir das observações e práticas do agrônomo, o sistema Agroflorestiha compreende uma dinâmica forma ensino e aprendizado, que permite compreender arranjos de produção de alimentos visando a estabilidade agroecológica por meio da diversidade de espécies que podem ser colhidas num espaço de tempo entre 1 mês a até 20 anos ou mais.

    O projeto Permacultura em prosa é uma iniciativa de extensão do NEPerma/UFSC e da Rede NEPerma Brasil em parceria com o Departamento de Educação do Campo da UFSC. Assista outros episódios em nosso canal no YouTube.


  • Permacultura, campo, produção e sustentabilidade

    Publicado em 24/02/2021 às 20:26

    Nesse episódio do Permacultura em prosa, o NEPerma em parceria com o podcast No Ar da Unicamp, traz uma conversa com o professor Arthur Nanni sobre permacultura, campo, produção, sustentabilidade. Na entrevista, Waldir Rodrigues conduz perguntas sobre a temática da inserção da permacultura no ensino público brasileiro e sobre as relações entre a permacultura e direitos humanos.

    O projeto Permacultura em prosa é uma iniciativa de extensão do NEPerma/UFSC e da Rede NEPerma Brasil em parceria com o Departamento de Educação do Campo da UFSC. Assista outros episódios em nosso canal no YouTube.


  • UFSC e EPAGRI lançam nota técnica sobre resíduos sólidos rurais

    Publicado em 11/12/2020 às 12:51

    Zonas energéticas para resíduos sólidos rurais.Parceria entre permacultores do Núcleo de Estudos em Permacultura / UFSC (NEPerma/UFSC) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI/SC) a nota técnica Resíduos Sólidos Rurais aborda a necessidade de mudarmos a tradicional abordagem centralizada de gestão dos resíduos sólidos, para um novo paradigma, onde a proatividade através da participação cidadã, esteja presente e seja pensada a partir da escala de percepção do indivíduo, da sua unidade rural ou mesmo, da comunidade que o abriga, permitindo que o mesmo possa entender como se dá o processo de gerenciamento, bem como, possa estabelecer estratégias de resoluções efetivas para a gestão.

    Escrito com termos de fácil compreensão, a nota traz em seu conteúdo um novo entendimento sobre os resíduos sólidos, onde é necessário pensarmos em transformar, encaminhar, recusar, repensar, reciclar e aproveitar resíduos como recursos. O documento conta com uma série de links e imagens que facilitam a compreensão da proposta de gestão descentralizada e de escala local/comunitária.

    Transformar, encaminhar, recusar/repensar, reciclar e aproveitar. Novas possibilidades de entendimento sobre resíduos sólidos rurais.

    Estruturada de forma sistêmica, a nota foi pensada para ser aplicada a qualquer unidade rural familiar, seja ela convencional, orgânica, agroecológica ou permacultural. Para tal, os pesquisadores apresentam a aplicabilidade da lógica de planejamento da permacultura, onde problemas podem e devem evitados, ou mesmo, serem reconhecidos como oportunidades.

    Um mapeamento detalhado sobre os resíduos comumente presentes na unidade rural resultou em um mapa conceitual que abrange: contaminantes, insumos, metais, mistos, orgânicos e papel, plásticos, tecidos e vidros. Para essa gama de materiais são propostas, onde possível, alternativas de substituição, transformação e/ou aproveitamento.

    Confira aqui a nota técnica na íntegra.


  • Permacultura em prosa “Juventude, agroecologia e sucessão no campo”

    Publicado em 19/11/2020 às 17:50

    O último Censo Agropecuário de 2017mostra que em Santa Catarina, houve um significativo envelhecimento na agricultura. Em dez anos, o número de produtores agrícolas com menos de 45 anos encolheu 41%. São 44 mil pessoas a menos. Ao mesmo tempo, houve um aumento de 27% dos produtores com mais de 55 anos. E as pessoas entre 45 anos e 75 anos já são 70% daquelas que estão na agricultura.

    São muitos os fatores para explicar a “fuga” de jovens da agricultura e, por consequência, as dificuldades para assegurar a sucessão nos estabelecimentos agropecuários: dificuldade de remuneração justa; baixo acesso à educação no campo; infraestrutura precária (poucas oportunidades para ações culturais, esportivas e de lazer, escasso acesso à telefonia celular e à internet); a expansão do agronegócio; a falta de políticas públicas de estímulo a práticas agrícolas respeitosas ao meio ambiente e ao conhecimento dos agricultores, dentre outros.

    O tema da sucessão remete à questão de como os jovens constroem estratégias para permanecer e trabalhar no meio rural. A agroecologia e a diversificação das atividades nas Unidades Familiares de Produção Agrícola são apontadas como alternativas capazes de possibilitar a permanência dos/das jovens no campo.

    O NEPerma/UFSC e o Pet Educampo UFSC conversaram com Leandro Assing, Hélinton Andrade e Natacha Eugênia Janata com mediação de Thaise Costa Guzzatti, sobre estratégias adotadas por jovens que estão construindo um projeto de vida e de futuro no campo.


  • Sessão ao vivo “Permacultura e saneamento: resíduos sólidos rurais”

    Publicado em 02/10/2020 às 20:10

    Boa parte dos gestores públicos não se preocupa com o destino dos resíduos sólidos rurais. Sistemas centralizados de coleta e disposição funcionam bem onde se tem muitos eleitores. Nesse cenário, cidadãos da roça precisam contar com a organização individual e coletiva para resolverem a gestão de seus resíduos sólidos.

    A permacultura através da sua lógica de planejamento, vem estimulando o protagonismo individual e coletivo do cidadão em ações de autogestão descentralizada em pequena escala que, somadas, podem ser eficazes na tarefa da não geração e melhor gestão de resíduos sólidos em espaços rurais.

    O NEPerma/UFSC convida você para saber mais sobre como a permacultura pode auxiliar na gestão de resíduos sólidos rurais com Cassandra Pulceno, Marcelo Venturi, Arthur Nanni e Krieger Leopoldo (mediação). Venha debater sobre questões de autonomia hídrica numa sessão ao vivo dia 8 de outubro às 19:00h – horário de Brasília (GMT -3).

    Faça aqui sua inscrição para receber um lembrete minutos antes de iniciar a sessão ou acesse aqui diretamente durante a transmissão.

     


  • Sessão ao vivo “Permacultura e saneamento: tratamento de efluentes”

    Publicado em 08/09/2020 às 17:39

    A maior parte das pessoas pouco se preocupa com o destino dos efluentes de sua casa. É como se eles sumissem num passo de mágicas, ou melhor, no apertar de um botão. Sistemas centralizados de transporte e tratamento de esgotos inibem o entendimento dos efluentes como recursos e desestimulam a participação do cidadão em uma pauta social tão importante.

    A permacultura através da sua lógica de planejamento, vem estimulando o protagonismo individual e coletivo do cidadão em ações de autogestão descentralizada em pequena escala que, somadas, podem ser mais eficazes na tarefa do tratamento de efluentes, sobretudo em meio rural.

    O Núcleo de Estudos em Permacultura da UFSC debateu sobre a lógica da permacultura voltada ao tratamento de efluentes com Adriana Galbiati, Elena Caldini, Marcelo Venturi e Guilherma Castagna com a mediação de Cassandra Pulceno.


  • Sessão ao vivo “Permacultura e saneamento: águas de abastecimento”, Permacultura em prosa

    Publicado em 31/08/2020 às 19:52

    Muitas vezes desconhecemos formas de obter e armazenar água na paisagem, o que faz depositarmos nossos esforços em vias tradicionais e convencionais de abastecimento doméstico. Uma boa leitura da paisagem e o reconhecimento de outras fontes potenciais de “produção de águas” podem ampliar as possibilidades de autonomia hídrica.

    A lógica de planejamento da permacultura estimula o protagonismo individual e coletivo em ações de autogestão descentralizada em pequena escala que, somadas, podem ser mais eficazes na tarefa do abastecimento, sobretudo em meio rural.

    O Núcleo de Estudos em Permacultura da UFSC debateu sobre a lógica da permacultura voltada ao abastecimento de águas com Antônio Augusto Pereira, Vinícius Pereira, Arthur Nanni e Adriana Galbiati (mediação).


  • Sessão ao vivo “Permacultura e saneamento: autogestão de águas”

    Publicado em 17/08/2020 às 21:32

    O modelo centralizado de saneamento básico em curso no Brasil encontra inúmeras barreiras para se fazer eficiente e, em muitos casos, presente. Alicerçado em uma lógica centralizadora, o objetivo de atender a totalidade da população está longe de ser alcançado.

    A permacultura vem trabalhando a responsabilidade individual das pessoas e estimulando seu protagonismo em ações que, somadas, beneficiem todos. Essa lógica está muito presente nas soluções apresentadas para o saneamento partindo da autogestão de águas, onde cada um entende a sua participação em um projeto coletivo maior com resultados multiplicadores em todas as escalas de gestão.

    O Núcleo de Estudos em Permacultura da UFSC debateu sobre a lógica da permacultura voltada ao saneamento básico com Adriana Galbiati, Arthur Nanni, Marcelo Venturi e mediação de Antônio Augusto Pereira.